28 de jul de 2016

I Encontro de Professores de Língua Portuguesa para Surdos do NAPNE/IFSUL Sapucaia do Sul

É com muita alegria que convido todos os leitores do Vendo Vozes para participarem do I Encontro de Professores de Língua Portuguesa para Surdos do NAPNE/IFSUL Sapucaia do Sul.
Se não puderes comparecer, peço a gentileza de divulgar o evento.

INFORMAÇÕES:
Data: 12 de agosto de 2016
Local: Campus Sapucaia do Sul (Miniauditório)
Instituto Federal Sul-Rio-Grandense
Sapucaia do Sul/RS

PROGRAMAÇÃO:
8h-8h30 → Recepção dos participantes
8h30 → Abertura do Evento
8h40 – 10h20 → Comunicações
10h20- 10h40 –> Intervalo
10h40 – 11h20 → Comunicações
11h20 → Debate sobre as comunicações da manhã
12h → Almoço
13h20 – 15h → Comunicações
15h – 15h20 → Intervalo
15h20 – 16h40 → Comunicações
16h40 → Debate sobre as comunicações da tarde
17h30 → Encerramento do Evento
O evento é destinado a professores de língua portuguesa para surdos, docentes e pessoas interessadas no tema.
Podem se inscrever para apresentação de comunicações individuais professores e pesquisadores. Também é preciso se inscrever para assistir ao evento.
As inscrições são gratuitas e limitadas.
Link para inscrições: http://goo.gl/forms/HBXPm9h2eVBNBloa2
Informações: napne@sapucaia.ifsul.edu.br

26 de jun de 2016

ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO E LETRAMENTO EM ESCRITA DA LÍNGUA DE SINAIS

I


O I Encontro Nacional de Ensino e Letramento em Escrita da Língua de Sinais, abreviadamente, 1ENELELS, é uma realização da Universidade Federal do Ceará (UFC), cujo tema é “Escrita de ELS  no Ensino: refletindo políticas e práticas”.

O referido Encontro será realizado no período de 18 a 22 de julho de 2016 nos horários de 8h às 18h no Auditório da Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Executivo (FEAAC)

Devido o crescimento no número de instituições de ensino que adotaram o ensino da Escrita de Língua de Sinais (ELS) para estudantes de Libras, a pesquisa e produção de material em ELS, a difusão da Libras no meio da comunidade ouvinte e seu interesse em buscar mais informações a respeito desta Língua. No Brasil, desde 1996, há pesquisas e experiências de ensino de escrita de língua de sinais (representação gráfica dos vocábulos das línguas de sinais) no sistema conhecido como SignWriting, com teses e dissertações publicadas, a apesar da Libras ser reconhecida legalmente (Lei Nº 10.436/02) foi apenas mais tarde que o ensino de sua escrita por meio de  disciplina acadêmica foi inserida nos cursos de Letras Libras, a partir de 2006, primeiramente pela UFSC e em seguida nas demais universidades, bem como disciplina curricular nas escolas bilíngues e/ou especializadas. Contudo ainda não se fez nenhum encontro no âmbito nacional para discutir o papel da escrita de sinais no ensino da Libras, metodologias, didáticas, trocas de experiências e práticas exitosas que visem garantir e promover o registro escrito das línguas de sinais. justifica-se a realização deste encontro nacional para que se preencha esta lacuna servindo como suporte para educadores de alunos surdos, estudantes da área e profissionais interessados, além de profissionais especializados como tradutores/intérpretes e professores de Libras que necessitam compreender mais sobre a ELS que a cada dia torna-se uma realidade dentro da Comunidade Surda.

Datas Importantes:





Maiores informações: http://1eventoels.wix.com/1enelels

Fonte: Blog Ribas Ninja

31 de mar de 2016

10 (ótimos) filmes sobre diferenças - Parte II

Continuando a lista que comecei aqui:

6. The Hammer (2010)

O filme conta a história real de Matt Hamill, lutador surdo de UFC, sua criação, seus desafios e sua educação na escola. Bem interessante, bem feito e sem drama exagerado. 
Resenha mais completa sobre o filme, publicada aqui.



7. Gilbert Grape aprendiz de sonhador (1993)


Com ótimos atores, o filme conta a história de Gilbert Grape (Johnny Depp), um adolescente que, desde a morte do pai, é o responsável por sustentar a família. Sua mãe Bonnie (Darlene Cates) sofre de obesidade mórbida desde que entrou em depressão, após o suicídio do marido, o que faz com que o caçula Arnie (Leonardo DiCaprio), um jovem autista, fique sob os cuidados de Grape. 




8. Simples como amar (1999)
A atriz Juliette Lewis, que também está em Gilbert Grape, arrasa no filme "Simples Como Amar". O filme é classificado como uma comédia romântica, mas supera esse rótulo, ao retratar a vida de Carla Tate, uma jovem adulta com deficiência intelectual que luta para ser independente, apesar da superproteção da família. Lindo!


9. I am Sam (Uma lição de amor) (2001)



Se todos os filmes desta lista são bons, eu nem sei classificar o excelente "I am Sam", ou "Uma lição de amor", que teve várias indicações ao Oscar. O filme relata a história de Sam Dawson (Sean Penn) um homem com atraso cognitivo que cria sua filha Lucy (Dakota Fanning) com uma grande ajuda de seus amigos. Porém, assim que faz 7 anos Lucy começa a ultrapassar intelectualmente seu pai, e esta situação chama a atenção de uma assistente social que quer Lucy internada em um orfanato. A partir de então Sam enfrenta um caso virtualmente impossível de ser vencido por ele, contando para isso com a ajuda da advogada Rita Harrison (Michelle Pfeiffer), que aceita o caso como um desafio com seus colegas de profissão. Prepare o lencinho!

10. Como estrelas na Terra (2007)
 O filme indiano "Taare Zameen Par - Como estrelas na Terra" tem como subtítulo: toda criança é especial. Ele mostra a vida de Ishaan, um menino de 9 anos com dislexia e sua dificuldade em ser aceito pela família e escola. Até que um professor aparece e descobre o potencial do menino. Recomendo especialmente para educadores, pois mostra a dislexia de maneira lúdica e bem esclarecedora. 




25 de mar de 2016

De volta ao blog...

Puxa, faz um tempão que não atualizo o blog. Saudade de ter tempo para fazer tudo o que eu gosto de fazer. Esse blog é um dos meus xodós, pois reúne material selecionado de assuntos que foram úteis para meu aprendizado, meu aperfeiçoamento, para a compreensão do que é incluir, do que é olhar com atenção especial para alguém em sua sala da aula, em sua escola, em seu trabalho. Materiais, reportagens, textos, entrevistas, vídeos, livros, filmes, que foram tão importantes para mim que eu resolvi compartilhar com outras pessoas.
Neste mundo onde trocamos de computador, celular, mídias para gravação, nuvens, endereço de email, cartão de memória com bastante frequência, com tantos pendrives perdidos, com tantos cds gravados (sim, eu ainda os tenho), esse blog também é minha fonte de pesquisa, de recordação, de resgate de documentos.
Desde o ano passado não posto nada nele. Foi uma soma de fatores que me impediram de fazê-lo - uma soma linda e feliz, já aviso: filha amada crescendo e precisando de atenção; nomeação em concurso público que era uma meta importante; rotina de mãe-professora com preparação de aulas, aulas, projetos, reuniões, correções e tudo o mais que a maioria de vocês com certeza sabe!
O tema da inclusão não saiu de minha vida, e agora em 2016, está mais vivo do que nunca!
Porém, voltando ao blog e a este período que ele ficou aqui, me esperando paradinho, acabei atrasando o pagamento da assinatura do domínio (que era vendovozes.com), mas paguei logo depois de atrasar e a empresa me garantiu, ainda em 2015 que tava tudo certo com ele. Desde então, nas folgas que me restavam, eu tentava atualizar o domínio, cadastra isso, cadastra aquilo, muda código, e não dava certo. Liguei, usei o chat da empresa, mandei e-mail e tava tudo certo. Mas eu não conseguia redirecionar o blog com o domínio. Depois de muito insistir, há duas semanas, me avisam que eles cometeram um erro e que o domínio não estava mais disponível. Ou seja, perdi o nome e o blog voltou ao endereço de origem, quando o fiz lá no início: blogvendovozes.blogspot.com. Agora estou pensando em um novo domínio, quem sabe, que indique um novo rumo para o blog, que não trate apenas de educação especial e inclusão voltada para surdos mas também para outras necessidades especiais, como já vinha acontecendo nos últimos tempos e como têm acontecido e minha vida profissional, que trate da inclusão de alunos com baixa visão, cegos, cadeirantes, com transtornos globais do desenvolvimento, autistas etc.O que vocês acham? Me apoiam? Quais temas vocês gostariam de ler aqui? Quais temas vocês gostariam de ESCREVER aqui? Alguém quer compartilhar sua história de inclusão ou a falta dela? Sua pesquisa, sua experiência?

Eu aguardo a opinião de vocês, pois, sem ela, esse blog não terá sentido.
Um grande e forte abraço,
Vanessa.