27 de dez de 2013

Copa do Mundo no Brasil e Acessibilidade (1)

Oi queridos, como estão? Preparativos para as festas de final de ano, férias?

Eu sigo enrolada com os últimos detalhes da tese, falta pouco! Mas precisei passar aqui para trazer dois materiais interessantes e que se complementam, na minha opinião, para pensarmos a acessibilidade nos grandes eventos esportivos. Ano que vem sediaremos a Copa do Mundo Fifa. Dezenas de estádios estão sendo reformados ou construídos. Também há obras para melhorar o tráfico, o transporte público, os aeroportos, a rede hoteleira, e investimentos em cursos para aprimoramento profissional. Dentro de toda esta força-tarefa eu me pergunto: e a acessibilidade? Cadeirantes, surdos, cegos, pessoas com mobilidade reduzida poderão assistir aos jogos? Terão acesso aos estádios? Poderão ir e vir, receber informações adequadas, com qualidade, terão seus direitos de consumidores e cidadãos plenamente atendidos durante este grande evento?

O primeiro material que quero compartilhar é um texto escrito pelo Jônatha Bitencourt (o primeiro texto que publicamos de autoria dele pode ser lido aqui) e postado no blog de matérias esportivas da Fabico (UFRGS). O texto questiona as condições de acessibilidade no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS) que sediará jogos da Copa do Mundo. Publicamos abaixo um trecho do texto. Para ler o texto completo clique aqui.

"Contagem regressiva. A Copa do Mundo está logo ali. E em Porto Alegre começam a ser dados os retoques finais no Estádio do Sport Club Internacional, o Beira-Rio, local escolhido para sediar o evento no Rio Grande do Sul. Mais de R$ 300 milhões foram previstos para a modernização do espaço, que está em reformas desde julho de 2010. O anúncio de que as obras estão em sua fase final costuma ser recebido com muita alegria por grande parte de organizadores e torcedores. Euforia que se mistura com desilusão quando entra em campo a acessibilidade. Em meio às construções, pessoas com deficiência tentam olhar para um futuro de direitos plenamente contemplados.
“Está bem complicada a situação”, afirma o presidente do RS Paradesporto, Luiz Portinho, ao descrever a luta pela acessibilidade dentro do estádio Beira-Rio. A aparente obsessão pelo “padrão FIFA”, cujos pré-requisitos sugerem um elevado nível de qualidade, parece ter chegado a uma rua sem saída.
O decreto presidencial nº 5.296 de 2004 determina que os estádios reservem, pelo menos, 2% das vagas para pessoas com cadeira de rodas. O Internacional, por sua vez, alega que o número previsto no projeto contempla o decreto nº 7.783 de 2012, também conhecido como Lei Geral da Copa, que fixa esse percentual em um número menor, apenas 1%."

As notícias sobre a Copa do Mundo 2014 podem ser acompanhadas pelo site "Portal da Copa", no endereço http://www.copa2014.gov.br/pt-br.


O segundo material que gostaria de compartilhar é uma peça publicitária da Coca-Cola intitulada: "Seleção Brasileira de Futebol de Cegos: isso é a Copa de Todo Mundo". No vídeo, um jogador cego da seleção brasileira de futebol de cegos faz um depoimento pessoal sobre sua experiência no esporte, além de mostrarem o time conhecendo a taça do mundo através do tato (o comercial mostra uma ação da empresa que conseguiu convencer a Fifa de quebrar o protocolo, já que não existe autorização para que se possa tocar a taça).


Assista ao vídeo aqui:




O comercial é bonito, mas não é acessível. Não sei na televisão (vou verificar) mas pelo menos na internet não há legendas (e as automáticas ficam bem ruins, eu testei) e nem a opção de audiodescrição, o que o tornaria possível de ser assistido em sua totalidade pelos cegos, justamente o público tema da campanha.
Um evento não pode apenas PARECER acessível, inclusivo, ele precisa SER acessível para quem precisa desta acessibilidade. ISSO É A COPA DE TODO MUNDO!

Aguardo os comentários e as notícias de acessibilidade da Copa na sua região!

Abraço, Vanessa.