30 de dez de 2011

Você sabia que...

...William C. Stokoe,
o Pai da Língua de Sinais Americana (ASL),
não sinalizava muito bem???

Parece uma ironia, né, gente? Mas é isso que (também) nos conta Jane Maher, em seu livro "Seeing language in sign - The Work of William C. Stokoe" (minha leitura de férias, ha ha ha, onde está escrito férias, leia-se mestrado, ok?! Ah, e o título pode ser traduzido como "Vendo língua nos sinais - a Obra de William C. Stokoe"). Além desse detalhe sobre Stokoe, o livro de Jane tem muitas informações úteis, bastante contextualizadas na história e no tempo, sobre Stokoe e sua obra de uma vida inteira. Minha leitura ainda não chegou ao fim, então, acho que ainda terei outras fofocas para contar. Tá, gente...ficaram curiosos sobre o fato de Stokoe não sinalizar muito bem? Vamos dar um desconto, né: Stokoe foi convidado por seu ex-colega de faculdade e parceiro de esgrima (sabia dessa também?!), e, à época coordenador do Gallaudet College, Detmold, para ensinar Literatura (medieval) para os surdos (faz ideia do que que é isso? Só pra vocês terem noção, é algo que tem a ver com Old English, Shakespeare, Chaucer, etc...ainda não sabe? Pois, então, algo pouco comum e difícil de ser ensinado...!). E ele não fez curso, capacitação, formação em Libras (ou ASL), curso de intérprete, ou oficina que a gente tudo hoje pode fazer (ô beleza!!!), e ele também não tinha o vendovozes.com para ficar mais informado, concorrer a livros sobre o assunto, saber das novidades e publicações sobre a educação e inclusão de surdos, né? Hohoho! Ele chegou lá de paraquedas (mas entenda-se que na bagagem dele tinha, também, muita vontade de ensinar, olhar atento, e plenas certezas das capacitades - todas - dos surdos). Obviamente ele aprendeu a sinalizar, mas não chegou a ser um "bam-bam-bam" na sinalização da ASL. Há relatos, inclusive, de que os alunos não compreendiam muitas vezes, nem a soletração manual dele...tu vê, hein?! Há esperança para nós, minha gente!!! Ano novo chegando = esperanças se renovando! Se você ainda tem dúvidas sobre a compreensibilidade de sua sinalização (ou, simplesmente, teme se seu sobrenome, tipo, "f-r-y-d-r-y-c-h" em Libras vai ser entendido), keep on, não desista!!! Vai saber se daqui uns 30 anos não é você recebendo, como Stokoe, o título Doutor Honoris Causa por suas contribuições à comunidade surda, hã?!

Bjo, Laura - a colaboradora.

2 comentários:

Janine de Marlene disse...

É verdade! Esse livro é muito bom! Eu li nas minhas "férias" (doutorais) 2010/2011. Tem muita fofoca do Stokoe. Principalmente sobre a personalidade forte e persistência dele. Pois é, pra ser reconhecido como pai da língua de sinais ele teve que aguentar muita coisa...

Laura disse...

Janine! Valeu pelo teu comentário. Bom saber que tem mais gente "ligada" na vida de Stokoe. O cara foi o cara (e na minha opinião continua sendo...). Mais alguém já leu o livro da Maher ou outro que tenha detalhes sobre a vida do Bill Stokoe?