14 de nov de 2011

Como escolher uma escola para seu filho

Embora o assunto talvez não tenha ligação direta com o blog, resolvi publicar este texto.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Existem muitas matérias em revistas e sites sobre como escolher uma boa escola para seu filho. Embora eu ainda não seja mãe, resolvi escrever meus critérios, na hora de escolher a escolha para meu filho, a partir da visão de alguém que passou grande parte de sua vida dentro de instiuições escolares, como aluna, graduanda, estagiária e professora. Muitos destes critérios não aparecem nestas matérias.

1) Se informe sobre o salário dos professores daquela instituição. Este é um dos itens mais relevantes. O salário do professor é o principal índice de como a escola valoriza seus principais profissionais, se os melhores são atraídos para trabalhar lá, e se se sentem motivados a estar e continuar lá.
Para saber o salário das escolas particulares, você pode procurar no site do sindicato de professores da sua região. Aqui no RS o site é http://www.sinprors.org.br/. No link "Ranking Salarial" estão listadas as escolas, por modalidade de ensino e região.
Também é importante fazer a pesquisa nas escolas públicas, pois os salários e planos de carreira variam se a escola for municipal ou estadual, por exemplo, e varia de município para município. No site da prefeitura ou secretaria de educação existem estas informações, ou no CPERS: http://www.cpers.org.br/.

2) Se informe sobre o PPP (Plano Político Pedagógico da Escola). Pode parecer uma chatice, mas é no PPP da escola que você vai saber quais valores a escola procura desenvolver em seu ensino, se é ou não religiosa, que valores morais e éticos ela prioriza, que teorias educacionais a escola segue (se é mais tradicional, se procura um ensino onde o aluno é protagonista, se valoriza o trabalho em grupo ou individual). Um bom instrumento para você cobrar, posteriormente, caso ele não esteja sendo cumprindo. Muitas vezes ele é divulgado no site da escola, na agenda ou na secretaria da mesma (peça para enviarem por e-mail).

3) Se informe sobre a acessibilidade na escola. A escola aceita alunos com necessidades especiais de educação? Aceita e promove a diversidade? Possui elevadores, rampas, banheiros adaptados?Nós não sabemos o dia de amanhã, e o que acontecerá se seu filho quebrar a perna, por exemplo? Vai deixar de ir à aula?
Possui intérpretes de Língua de Sinais? Possui uma psicopedagoga? É importante prestar atenção a este item, mesmo que seu filho não se enquadre a estas necessidades, pois demonstra como a escola lida com a diversidade existente no mundo.  Você quer que seu filho aprenda a conviver com as diferenças ou viva em uma redoma?

4) Existe diversidade entre os professores e funcionários? Eu quero que meu filho estude em uma escola onde a diversidade comece pelos professores e funcionários. Quero que, no quadro de professores, existam homens e mulheres, jovens e mais experientes, pessoas brancas, negras, pardas, se possível asiáticas, com visões de mundo diferentes e que os professores tenham liberdade para falar sobre suas convicções aos alunos. Só assim ele aprenderá a argumentar, a refletir, e saberá que as pessoas são diferentes, e isso é maravilhoso.

5) A escola possui uma biblioteca atraente? O mais importante não é o tamanho da biblioteca, mas ela tem de ser atraente, colorida, convidativa, um espaço em que seu filho queira estar. De preferência, com um profissional habilitado para aquilo (com formação para atuar ali - Graduação em Biblioteconomia ou Técnico em Biblioteconomia). Se todos os livros foram muito novos, significa que não estão sendo muito utilizados.

6)  Como é a formação dos professores? Se eu, como profissional, me preocupei em escolher uma boa faculdade, estou sempre estudando e aperfeiçoando minha formação, por que não querer que meus filhos sejam atendidos por pessoas qualificadas? Embora muitas pessoas pensem que educar é um dom, ser professor é uma profissão, que precisa de muito mais do que simpatia e boa vontade. Falo isso porque já recebi muitos convites de escolas (particulares, principalmente) a atuar em áreas que eu não tinha nenhum conhecimento ou formação. Também tive muitos colegas que atuavam em áreas diferentes do que eram formados ou, simplesmente, não eram formados (porque o salário de um estagiário é muito menor do que de um professor FORMADO). Algumas escolas divulgam o quadro docente de seus professores, eles tem páginas pessoais, blogues, ou indicação de formação. Procure o nome e sobrenome deles e jogue no google. Muitos sindicatos mantêm um quadro de currículos. Se constarem no Currículo Lattes (http://lattes.cnpq.br/) melhor ainda.

7) Outros - Muitos outros critérios devem ser vistos, como o material pedagógico, espaço escolar, distância entre a escola e a casa, segurança, lanche, atividades extra-turno, arborização, espaço para atividades esportivas, reuniões de pais, procedimentos para problemas de indisciplina (eu, por exemplo, quero uma escola que puna os alunos que briguem, desrespeitam professor, colem nas provas....), além do diálogo e da 2ª chance. Mas o aluno tem que ter limites, sim, não pode ser o reizinho da escola e nem ficar impune quando desrespeite o regulamento da mesma.
Ok, dificilmente encontraremos uma escola que atenda a todos os requisitos. Faça uma lista, então, dos requisitos indispensáveis, e escolha a escola que mais se aproxime do que você deseja para seu filho, aquela que mais se aproxima da educação que você pretende dar em casa. A escola não é responsável pela educação de seu filho, os responsáveis são os pais, mas ela pode e deve ser uma grande parceira da família nesta difícil tarefa.

Abraço e boa sorte,
Vanessa de Oliveira Dagostim Pires.

4 comentários:

Jaqueline Delazari Foroni de Souza disse...

Gostei muito das orientações, como é bom termos diretrizes para definir qual a melhor escola para nossos filhos..., obrigada.

Aura disse...

Olha colega creio que nunca foi publicado algo neste nível justamente por alguns aspectos elitistas os quais dificilmente nós,pais e professores de uma classe media baixa não levamos em conta por uma serie de fatores principalmente o financeiro.Trabalho em uma escola municipal onde os pais dão graças a Deus por conseguirem uma Van que leve seus filhos deficientes até a escola!A realidade brasileira é de famílias carentes por pequenas coisas como transporte,alimentação.moradia...pequenas?sim pois todos deveriam ter acesso ,direito a isso!
Entendi bem tuas colocações mas apenas vi um lado tendencioso ao elitismo.Se estiver errada me desculpe!
Abraços e parabéns pelo seu blog está cada dia melhor!

Vanessa disse...

Aura, obrigada pela leitura e pelo comentário. Certamente a simples "escolha de uma escola" para seu filho é algo para poucos em nosso país, infelizmente. Mas é o meu sincero desejo que todas as famílias, um dia, possam fazer essas escolhas. De qualquer maneira, também escrevo para aqueles que têm esta opção desde já, e muitas vezes não sabem quais critérios priorizar nas escolhas. Continue participando!

Vanessa disse...

Obrigada, Jaqueline, aguardo sugestões de outras diretrizes!