30 de dez de 2009

Receita de Ano Novo


Olá queridos leitores do Blog Vendo Vozes, obrigada pela atenção, pelo carinho e pela interação! Desejo um ótimo e abençoado 2010 para todos nós, com muitos planos, projetos, muita luta e muito estudo, pois só assim poderemos olhar nosso mundo com mais discernimento, e atuar nele de maneira mais cidadã, não é mesmo?
Deixo para vocês uma ótima receita para 2010. Tantas pessoas fazem rituais, promessas, tradições, mas essa receita é a mais infalível...
Bjs

Receita de ano novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.
Carlos Drummond de Andrade

16 de dez de 2009

Novos cursos 2010

Olá pessoal

Estamos programando mais uma versão do curso "Introdução ao Ensino de LP para Surdos", com algumas reformulações, oferecido pela UNISINOS Virtual na Modalidade EAD para o ano de 2010, com início previsto para Março... Quem tiver interesse pode começar a se programar e enviar um e-mail para vanessadagostim@gmail.com, indicando interesse e melhor dia da semana para os encontros on-line do curso. Quem prefere curso presencial também pode manifestar interesse, indicando cidade, etc...

Abraços
Vanessa.

14 de dez de 2009

Tecnologia e Acessibilidade

Computador 'interpretará' linguagem de sinais pela primeira vez
Notícia: Portal G1
Tecnologia quer facilitar comunicação dos deficientes auditivos no dia a dia.
Ideia é implantar sistema para utilização em serviços públicos da Espanha.
Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
Programa de computador interpreta a linguagem de sinais usada pelos deficientes auditivos.

(Foto: Divulgação)
Pesquisadores da Universidade Politécnica de Madri, na Espanha, criaram o primeiro computador capaz de interpretar a linguagem de sinais utilizada por pessoas com deficiência auditiva.

O sistema, que será submetido a vários testes nesta semana, ficará pronto na próxima segunda-feira, de acordo com a instituição.

Ele é capaz de traduzir, por exemplo, as expressões pronunciadas por funcionários públicos no atendimento a deficientes que desejarem renovar a carteira de identidade.

Com a nova tecnologia, segundo a universidade, será dado um grande passo para eliminar as barreiras de comunicação encontradas por portadores de deficiência auditiva que passam por trâmites administrativos.

O computador realiza o processo de tradução em três fases: reconhece a voz do
funcionário ao obter a sequência de palavras pronunciadas, traduz a sequência de palavras e, por fim, reproduz os sinais.

3 de dez de 2009

Depoimento da novela Viver a Vida Sobre Implante Coclear

No dia 16/11/09 a Novela Viver a Vida mostrou o depoimento de Marri Moraes, uma mãe de um menino que fez implante coclear.

Marri achava que não poderia ser mãe. De repente, engravidou. No oitavo mês de gestação, os médicos acharam que o bebê poderia estar morto e a gravidez teve que ser interrompida. Davi nasceu muito pequeno, mas com vida. Quando foi vê-lo pela primeira vez, Marri foi informada de que ele viveria, mas em estado vegetativo. Davi teve cinco internações em menos de um ano de vida. Davi foi crescendo, se desenvolvendo e ficando cada dia mais forte e esperto, porém com uma deficiência na audição. A solução que Marri encontrou foi a cirurgia em que um chip seria inserido em seu bebê para que ele pudesse ouvir (implante Coclear). Marri MoraesDavi está com quase dois anos, enxerga, não tem convulsões, escuta muitas coisas e já ganhou até medalha na natação.


Infelizmente não tem legenda, mas o vídeo está aqui!


Abraços,
Vanessa.

Defesa de doutorado em Português e LIBRAS - UFSC

Olá pessoal

Estou postando um vídeo com a apresentação de doutorado de Vilmar Silva, da UFSC, em videoconferência bilíngue.Parabéns Vilmar pelo ótimo trabalho, e obrigada por disponibilizá-lo para todos.













Get Adobe Flash player

O doutorando Vilmar Silva apresenta sua tese a respeito da educação brasileira dos surdos. A defesa aconteceu no dia 18 de novembro, às 14horas, no Estúdio de Videoconferência do Centro de Comunicação e Expressão (prédio B) e teve a participação como examinadoras das professoras: Vanda Leitão, Marianne Rossi Stumpf, Karin Strobel e Cristiane de Azevedo Tramonte. Além da co-orientadora Gladis Perlin e dos suplentes Rose Cerny e Rodrigo Rosso Marques. A orientadora do projeto, Ronice Müller, acompanhou a defesa por videoconferência de Washington, EUA.



O vídeo pode ser acessado também neste link.
Abraços,
Vanessa.

2 de dez de 2009

Documentário: Borboletas de Zagorsk

As Borboletas de Zagorsk é um documentário produzido pela BBC em 1992 que trata do trabalho desenvolvido em uma escola russa com crianças surdas e cegas, inspirado nos estudos de Lev Vygotsky. A obra tem 40 minutos de duração e se passa na cidade de Zagorsk, a 80 km de Moscou.
No Youtube é possível assistir aos vídeos do documentário, são 6 partes.
A primeira parte pode ser vista abaixo, pena que não tem legenda.

25 de nov de 2009

Evento interessante para quem quer aprender mais sobre o papel do Intérprete na escola inclusiva e em outros ambientes de interpretação!



Divulgando:

Oficina:

Como trabalhar com Intérprete de Libras?


Ministrantes · Vinícius Martins - Tradutor/Intérprete de Língua de Sinais - Instituto de Pesquisa em Acessibilidade ( IPESA) – ULBRA - Pró-Reitoria de Ensino (PROGRAD) - FEEVALE – Coord. Curso de Tradução e interpretação (ULBRA/Canoas-RS)- Vice-presidente – Agils - Graduando : Pedagogia – Gestão e Ensino (ULBRA) e Letras Libras - Bacharelado (UFSC) ·

Sandro R. da Fonseca -Tradutor/Intérprete de Língua de Sinais - Instituto de Pesquisa em Acessibilidade (IPESA) – ULBRA - Centro de Comunicação e Expressão - UFSC – Diploma em Estudos Surdos – Universidade de Bristol / UK



Venha participar desse momento de formação: Ø Datas: 02 de dezembro de 2009 Ø Local: ULBRA/Canoas Ø Horário: 19:15h as 22:15h Ø Investimento: 15 reais (para alunos ULBRA) e 30,00 reais (para não alunos ULBRA) Ø Público alvo: Profissionais e estudantes da área de educação e áreas que utilizam de interpretação. Ø Certificado: Carga horária de 3 horas Proposta do Evento: Ø Identificar estratégias de interação de comunicação interpretada e uso da Libras. Ø Apresentar o papel do tradutor/Intérprete de Libras em salas inclusivas. Ø Explorar tipos de interpretações que ocorrem no âmbito escolar. As inscrições poderão ser realizadas até dia 30 de novembro de 2009, no setor IPESA (Instituto de Pesquisa em Acessibilidade), com a Carla ou Mara, através do telefone 51-34779190. Informações pelo e-mail: viniciusmartinsf@gmail.com ou ipesa@ulbra.br Acesse:http://www.ulbra.br/acessibilidade/curinterplibras.htm

23 de nov de 2009

III ENPLE - Simpósio: Ensino de LIBRAS

Olá pessoal
Estou postando notícias do III ENPLE - Encontro Nacional de Políticas Linguísticas e Ensino, que ocorreu na semana passada em Brasília, promovido pela ALAB - Associação Brasileira de Linguística Aplicada.
Foi um evento muito interessante, e, para mim, foi especialmente importante por assistir a trabalhos que me enriqueceram muito, além de conhecer pessoas muito competentes em suas áreas, as quais espero acompanhar ainda mais.
Tive a oportunidade de apresentar meu trabalho "Andaimento coletivo como prática de ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa para Surdos" e assisti a vários outros trabalhos, como "Por que não professor surdo?", da Professora Ana Regina Campello (UFSC); "O ensino de LIBRAS em cursos de formação de professores", de Ana Claudia Lodi (USP) e Emonena Barbosa de Almeida, "O ensino de LIBRAS no curso de Pedagogia: a experiência do CEUCLAR", de Cristina Pedroso e Alexandre Góes e "A educação inclusiva dos educandos surdos na escola inclusiva", de Sally Carvalho e Desirée Begrow (UFBA), entre outros.
Espero encontrá-los novamente em futuros eventos!


Eu e Professora Ana Lodi.

Vanessa Dagostim Pires, Ana Claudia Lodi, Ana Regina Campello e Cristina Araújo Pedroso.

Abraços,
Vanessa!

4 de nov de 2009

Dicas da 55ª Feira do Livro

Olá pessoal
Quero aproveitar e divulgar umas ofertas muito boas que estão acontecendo na Feira do Livro de Porto Alegre deste ano, para quem se interessa em estudos surdos.
Algumas dicas bem legais: "Intérprete de LIBRAS" e "Duas escolas, duas línguas", lançamentos da Editora Mediação, além de "Letramento e minorias", da mesma editora. Dica: dois deles por R$ 12,00 cada no saldo porque tinham um "defeito" na capa, que nem dá pra ler! Na banca da Editora!
Quem tiver mais dicas pode mandar que eu divulgo!
Abraços a todos,
Vanessa.

21 de out de 2009

V FEES - Fórum estadual de educação de surdos


V FEES – FÓRUM ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SURDOS
PROMOÇÃO: GIPES



COORDENAÇÃO DO V FÓRUM:
GIPES/UFRGS, Curso de Letras-Libras – pólo UFRGS
Departamento de Educação e Mestrado em Educação da UNISC
CARGA HORÁRIA: 20 horas
LOCAL: UNISC/ SANTA CRUZ DO SUL - RS
email para contato: vfees_gipes@hotmail.com

Objetivo do Evento
O objetivo do V Fórum Estadual de Educação de Surdos é dar continuidade às discussões que vem sendo feitas nos Fóruns anteriores e apresentar resultados de pesquisas e de projetos educacionais cujo foco seja a inclusão e a educação de surdos. Este evento é uma iniciativa do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos (GIPES) que articula universidades, escolas de surdos, órgãos de governo, organizações representativas dos movimentos surdos e comunidade em geral em parceria com o Curso de Pedagogia e o Programa de Pós-Graduação em Educação da UNISC.

Tema Central:
A EDUCAÇÃO BILÍNGUE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA
PROGRAMAÇÃO:DIA 27 DE NOVEMBRO


Manhã – Auditório Central
08:00 às 09:00 – Credenciamento
09:00 – Abertura
09:30 – Apresentação Cultural
10:30 – Conferência: Educação Inclusiva Bilíngüe –
Profª Drª Cristina Broglia Feitosa de Lacerda (UFSCar)
11:30 – Debates
12:00 às 14:00 – Intervalo para almoçoTarde – Salas de aula da UNISC
13:30 às 15:30 –
OFICINAS
OBS.: Cada participante poderá participar de três oficinas; cada oficina terá duas horas de duração e será oferecida em três horários diferentes

Oficina 1: Tradução/Interpretação no contexto do ensino superior•
Anie Pereira Goularte Gomes Carvalho: Mestranda em Educação do PPGEDU e pesquisadora do GIPES, na UFSM•

Liane Camatti: Mestranda em Educação do PPGEDU e pesquisadora do GIPES, na UFSM
Oficina 2: Ensino da Língua Portuguesa para surdos•
Carolina Sperb: Professora Substituta de LIBRAS da UFRGS; acadêmica do Curso de Letras Libras Licenciatura – Pólo UFSM

Oficina 3: Memórias e escritas docentes•
Graciele Marjana Kraemer: Mestranda em Educação do PPGEDU e pesquisadora do GIPES, na UFRGS•
Larisa da Veiga Vieira Bandeira: Acadêmica do Curso de Pedagogia e pesquisadora do GIPES, na UFRGS

Oficina 4: O currículo na educação de surdos•
Mônica Zavacki de Morais: Mestre em Educação; Tutora do Curso de Letras Libras Licenciatura; pesquisadora do GIPES, na UFSM•
Juliane Marschal Morgenstern: Mestre em Educação; pesquisadora do GIPES, na UFSM•
Camila Righi Medeiros Camillo: Mestre em Educação; pesquisadora do GIPES, na UFSM

Oficina 5: Literatura Surda•
Claudio Henrique Nunes Mourão: Mestrando em Educação do PPGEDU e pesquisador do GIPES, na UFRGS•
Carolina Hessel Silveira: Mestre em Educação; Tutora do Curso de Letras Libras Licenciatura – Pólo UFRGS

Oficina 6: Perspectiva de Tradução•
Vinicius Martins: Vice-presidente da Associação Gaúcha de Intérpretes (AGILS)• Sandro Fonseca: Intérprete de Língua de Sinais

Oficina 7: Humor Surdo•
Augusto Schallenberguer: Mestrando em Educação do PPGEDU/UFRGS; Professor de LIBRAS na UNISINOS e PUCRS

Oficina 8: Escrita de Sinais•
Erika Vanesa de Lima Silva: Acadêmica do Curso de Letras Libras Licenciatura – Pólo UFSM
15:30 às 16:00 – Intervalo
16:00 às 18:00 – OFICINAS
Noite19:00 às 20:00
Programação Cultural: Narrativas e poesia em LIBRAS

DIA 28 DE NOVEMBRO
Manhã – Auditório Central
08:30 às 10:00 – Palestra A EDUCAÇÃO DE SURDOS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA – Representante da SEESP/MEC
10:00 às 10:30 – Intervalo
10:30 às 12:00 –
Painel Condições de possibilidade para a Educação Bilíngüe no Brasil•
Adriana da Silva Thoma: Professora do DEE e do PPGEDU/UFRGS•
Lodenir Becker Karnopp: Professora do DEE e do PPGEDU/UFRGS•
Madalena Klein: professora do DFE da FaE e do PPGE/UFPel
Tarde – Salas de aula da UNISC
13:30 às 15:30 – OFICINAS
15:30 às 16:00 – Intervalo
16:00 às 17:00 – Mesa Temática:
Política de formação de professores de LIBRAS•
Cristiane Muller: Representações sobre o professor surdo no ensino superior•
Carolina Hessel Silveira: O curso de Letras-Libras Licenciatura: experiência do pólo UFRGS•
André Reichert: mediador do debate
17:00 – Debate
17:30 – Encerramento encaminhamentos para a sexta edição do Fórum:Representantes do GIPES
Inscrições: Em Breve

Eventos sobre cultura e educação de surdos na 55° Feira do Livro de Porto Alegre



Seminário sobre a surdez
Local: Casa do Pensamento (200 pessoas, datashow)
Dia 15 de novembro, das 14h às 20h.


As diferenças e semelhanças da aquisição de linguagem entre crianças surdas e ouvintes
Palestrante: Luciana Pereira Vaz (acadêmico em Letras/LIBRAS)
Horário: 14h


Escrita da língua de sinais em literatura para estimular a criança surda
Palestrante: Erika Vanessa de Lima Silva (Profª. Especialista em Educação de Surdos)
Horário: 14h30min

(Re)conhecimento da estrutura da Libras para ensinar efetivamente a Língua Portuguesa como a segunda língua aos surdos
Palestrante: Carolina Comerlato Sperb (Profª. Especialista em Educação de Surdos)
Horário: 15h


A prática docente na escola de surdos: Problematizações acerca daquilo que queremos e daquilo que fazemos
Palestrantes: Camilo Darsie de Souza (Mestre em Educação)
Horário: 15h30min


Dialetos e falares em aspectos sociolingüísticos
Palestrante: Cristiano Pereira Vaz (acadêmico em Letras/LIBRAS)
Horário: 16h

_________________________________________________________________


INTERVALO: 16h30min AS 17H

_________________________________________________________________


Poesia para surdos – vantagens do texto em Libras

Palestrante: Renata Heinzelmann (Profª. Especialista em Educação de Surdos)
Horário: 17h30min


Literatura infantil: Música faz parte da cultura surda?
Palestrante: Carolina Hessel Silveira (Mestre em Educação) e Cláudio Henrique Nunes Mourão (Mestrando em Educação-UFRGS)
Horário: 17h


A diferença surda na perspectiva da inclusão
Palestrantes: Adriana da Silva Thoma (Doutora em Educação pela UFRGS) e Craciele Marjana Kraemer (Mestranda em Educação-UFRGS)
Horário: 18h


MESA- REDONDA
Horário: 18h30min à 20h
“Currículo e avaliação na educação de surdos”

Participantes:
Adriana da Silva Thoma (Faculdade de Educação UFRGS)
Lodenir Becker Karnopp (Faculdade de Educação UFRGS)
E convidados.

Fonte: blog Feira do Livro para Surdos

Eventos em novembro - ULBRA

Deafhood: Sujeito Surdo

Ministrante:

· Sandro R. da Fonseca -Tradutor/Intérprete de Língua de Sinais - Instituto de Pesquisa em Acessibilidade (IPESA) – ULBRA - Centro de Comunicação e Expressão - UFSC – Diploma em Estudos Surdos – Universidade de Bristol / UK

Venha participar desse momento de formação:

Ø Datas: 06 de Novembro de 2009
Ø Local: ULBRA/Canoas
Ø Horário: 19:15h as 22:15 h
Ø Investimento: 35,00 reais

Ø Público alvo: Profissionais da área da educação, da tradução e comunidade, que tenham interesse em Estudos Surdos.

Ø Certificado: Carga horária de 3 horas

Proposta do Evento:

Ø Oportunizar a reflexão a partir dos conceitos teóricos internacionais relacionados a teoria deafhood.
Ø Verificar em pontos históricos as marcas especificas culturais surdas.
Ø Compreender princípios elementares da teoria Deafhood, que demonstrem a formação da identidade Surda com relação do sujeito ouvinte e Surdo.

As inscrições poderão ser realizadas até dia 04 de novembro de 2009, no setor IPESA (Instituto de Pesquisa em Acessibilidade), com a Carla ou Mara, através do telefone 51-34779190.

Informações pelo e-mail: viniciusmartinsf@gmail.com


Interpretação de música para Libras.

Ministrantes:
· Vinícius Martins - Tradutor/Intérprete de Língua de Sinais - Instituto de Pesquisa em Acessibilidade ( IPESA) – ULBRA - Pró-Reitoria de Ensino (PROGRAD) - FEEVALE – Coord. Curso de Tradução e interpretação (ULBRA/Canoas-RS)- Vice-presidente – Agils - Graduando : Pedagogia – Gestão e Ensino (ULBRA) e Letras Libras - Bacharelado (UFSC)

· Sandro R. da Fonseca -Tradutor/Intérprete de Língua de Sinais - Instituto de Pesquisa em Acessibilidade (IPESA) – ULBRA - Centro de Comunicação e Expressão - UFSC – Diploma em Estudos Surdos – Universidade de Bristol / UK

Venha participar desse momento de formação:

Ø Datas: 11, 18 e 25 de Novembro de 2009
Ø Local: ULBRA/Canoas
Ø Horário: 19:15h as 22:00 h
Ø Investimento: 90,00 reaisØ

Público alvo: Pessoas/profissionais que tenham conhecimento da Língua de Sinais. (Intérpretes, professores de Surdos, pessoas da comunidade)

Ø Certificado: Carga horária de 12 horas

Proposta do Evento:

Ø Criar momentos de trocas das diferentes possibilidades e peculiaridades da tradução musical para Libras.
Ø Identificar estratégias de tradução para interpretação musical.
Ø Conhecer princípios lingüísticos e poéticos da Língua Brasileira de Sinais, que favorece a tradução musical.

“ …todos os textos são originais, porque todas as traduções são diferentes. Até certo ponto, todas as traduções são uma invenção e, enquanto tal, únicas .”
(Paz, Octavio –1971,p.9.)

As inscrições poderão ser realizadas até 09 de novembro de 2009, no setor IPESA (Instituto de Pesquisa em Acessibilidade), com a Carla ou Mara, através do telefone 51-34779190.

Informações pelo e-mail: viniciusmartinsf@gmail.com ou ipesa@ulbra.br

19 de out de 2009

Dissertação: Andaimento Coletivo como prática de ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa para Surdos

Olá pessoal

Quero compartilhar com vocês meu trabalho de dissertação em Linguística Aplicada na UNISINOS (2009) chamado: Andaimento coletivo como prática de ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa para surdos, sob a orientação da Profª Drª Ana Maria de Mattos Guimarães.
Quem utilizar o trabalho, favor colocar as referências corretamente....
Abraços
Vanessa.

12 de out de 2009

Sem limites!

Olá pessoas!
Hoje quero postar algumas coisas legais que encontrei na net! Uma delas é um blog que dá indicações de filmes sobre surdez, mt tri!!! O blog se chama "Filmes sobre surdez e distúrbios da fala". Tem sugestões de filmes de várias épocas, ficcção e documentários, amei! Visitem!
E aí lá tem a indicação de um documentário deste ano (2009) muito interessante, que estou com mt vontade de assistir, que se chama: "See What I'm Saying: The Deaf Entertainers Documentary", que significa mais ou menos "Veja o que estou dizendo: um documentário sobre artistas surdos". Ainda não sei se já existe no Brasil e com legendas em português, mas parece ser fantástico. Tem um trailer no YouTube, veja:




O site oficial do documentário é: http://www.seewhatimsayingmovie.com/presskit.html.
Quem tiver notícias sobre o documentário no Brasil me avisem!
Abraços
Vanessa

7 de out de 2009

O ensino de Artes na educação de surdos

Oie, gente (pra variar meu cumprimento, hehehh)

Organizando meus arquivos, achei alguns bem legais pra postar, como os trabalhos sobre o ensino de Artes na educação de surdos. A arte é super importante para qualquer ser humano, e o ensino de artes para surdos abre diversas possibilidades de interação e construção de conceitos, seja através das artes visuais ou artes cênicas, por exemplo!
Abaixo alguns títulos interessantes:


- Auto-estima resgatada pela identidade com artistas surdos - Trabalho de conclusão de curso de especialização em Pedagogia da arte (UFRGS), de Rosa Virgínia dos Santos.

- Uma Experiência de Inclusão através das Artes e das Tecnologias Digitais

Pequeno dicionário regional de LIBRAS para Artes - Trabalho de conclusão de curso de especialização em Pedagogia da Arte da UFRGS, de autoria de Lucila dos Santos Vales.

Confiram!!! quem tiver mais dicas de materiais é só indicar que eu acrescento!

Bjs

5 de out de 2009

Volta e Museu da Língua de Sinais!

Olá Pessoal

Desculpem o atraso nas postagens, mas realmente estou super ocupada com as aulas, e os cursos de extensão a distância, que, por sinal, estão maravilhosos!
Quero mandar um abração desde já para toda a turma do curso Ensino de LP para Surdos (UNISINOS), que está muito interessante, estou amando compartilhar experiências, leituras e conhecimentos com vocês. A turma é incrível, tem gente de todos os cantos do Brasil, cada um com sua experiência, surdos, ouvintes, professores, estudantes, intérpretes... enfim, está muito rico! Futuramente trago mais notícias do curso, que está quase terminando.... :(
E para atualizar o blog, quero trazer uma ótima dica: entrem no site http://www.mulisi.com.br/ e assine o abaixo assinado que defenda a criação de um Museu da Língua de Sinais no Brasil. Interessante, não? Acesse e saiba mais!
Abraços a todos,
Vanessa.

31 de ago de 2009

PROLIBRAS 2009


Olá pessoal!

Estarão abertas, a partir de amanhã (01/09) as inscrições para o PROLIBRAS 2009, que vão até o dia 30/09. O valor da inscrição será de R$ 30,00.

A empresa organizadora da prova será mais uma vez a COPERVE - UFSC (nenhuma outra empresa se candidatou para a missão), e as provas serão realizadas nas seguintes cidades:
Belém/PA, Belo Horizonte/MG, Boa Vista/RR, Brasília/DF, Campo Grande/MS, Cuiabá/MT, Curitiba/PR, Florianópolis/SC, Fortaleza/CE, Goiânia/GO, João Pessoa/PB, Macapá/AP, Maceió/AL, Manaus/AM, Maringá/PR, Natal/RN, Palmas/TO, Porto Alegre/RS, Porto Velho/RO, Recife/PE, Rio Branco/AC, Rio de Janeiro/RJ, Salvador/BA, Santa Maria/RS, São Carlos/SP, São Cristovão/SE, São Gonçalo/RJ, São Luís/MA, São Paulo/SP, Teresina/PI, Uberlândia/MG, Vitória/ES.

O PROLIBRAS ocorrerá em duas etapas: prova objetiva (25/10) e prova prática (a partir do dia 27/10, com os aprovados da primeira etapa).



Boa sorte a todos!!!

Vanessa.

24 de ago de 2009

Semana das Pessoas com Deficiência na Unisc - RS

A Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), por meio do Núcleo de Apoio Acadêmico (Naac) realiza atividades alusivas à Semana das Pessoas com Deficiência,que se comemora nacionalmente de 21 a 28 de agosto. O objetivo é a sensibilização e a conscientização da sociedade para esse público.
Neste dia 20 de agosto, às 20h, será realizada uma palestra sobre audiodescrição, que é o recurso de narração das cenas mudas em audiovisuais para pessoascom deficiência visual. A palestra ocorre no anfiteatro do bloco 18, e é aberto à comunidade acadêmica e regional.
Nesta sexta-feira, dia 21, ocorre uma oficina nos turnos da tarde e noite, a partir das 13h30, também no Anfiteatro do no bloco 18. O evento é dirigidoaos acadêmicos da Unisc interessados em conhecer mais sobre o recurso de audiodescrição. O encontro é gratuito, mas é necessário fazer inscrições até oinício. A promoção é do curso de Comunicação Social, Serviço Social e Ciências Sociais, além do Departamento de Educação, Pró-Reitoria de Extensão e RelaçõesComunitárias (Proext) e Naac.
Já nesta terça-feira, dia 25, o Diretório Acadêmico e o curso de Nutrição, juntamente com o Naac, promovem um debate sobre nutrição e pessoas com deficiência.O debate inicia às 13h30, no anfiteatro do bloco 18. O evento faz parte da Semana Acadêmica da Nutrição, é gratuito e aberto ao público geral.
Além disso, durante toda a Semana das Pessoas com Deficiência, os funcionários da Universidade farão as sessões de ginástica laboral de forma diferenciada,de olhos vendados, sem usar a fala, sentados ou com os braços imobilizados. O objetivo é buscar a sensibilidade dos sentidos e o potencial que muitas vezes é esquecido e não valorizado nas pessoas que não possuem esses recursos.
Fonte: http://www.unisc.br/naac

5 de ago de 2009

Estudos Surdos IV


Olá pessoal
Foi lançado mais um volume da série Estudos Surdos, da editora Arara Azul e UFSC. É o 4ª volume da série, desta vez organizado por Ronice M. de Quadros e Marianne Stumpf.
Como os outros é muito interessante, com artigos escritos por especialistas no estudo das línguas de sinais, ouvintes e surdos.
Vale a pena conferir. Ele está disponibilizado gratuitamente no site [clique aqui.]

27 de jul de 2009

Curso: Gêneros de texto no dia-a-dia do ensino fundamental

Conforme eu havia postado anteriormente, agora é oficial: estão abertas as inscrições para:

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA

GÊNEROS DE TEXTO NO DIA-A-DIA

DO ENSINO FUNDAMENTAL

O objetivo do curso é oferecer aos participantes subsídios para qualificar a atividade profissional em aulas de língua materna, apresentando conceitos contemporâneos neste âmbito, com base em estudos de Linguística Aplicada, auxiliando-os a atuar com maior segurança e qualidade no desenvolvimento de metodologias pertinentes ao trabalho com textos, leitura, escrita e análise linguística em sala de aula.

PÚBLICO-ALVO: Professores de Língua Portuguesa, Professores de Línguas, Pedagogos(as), Gestores Educacionais, Acadêmicos dos cursos de Letras e Pedagogia e demais interessados nos estudos de ensino/aprendizagem de língua materna e elaboração de sequências didáticas para o trabalho com a linguagem.

Ministrantes: Ms. Vanessa de Oliveira Dagostim Pires e Mestrando Anderson Carnin.

PRÉ-REQUISITOS: Possuir acesso à internet e conhecimentos básicos de informática.

  • Período das aulas: 08/09 a 03/11/2009.

  • Encontros on-line às terças-feiras à noite (chat - 20h às 21h)

  • Curso 100% a distância – Plataforma Moodle

23 de jul de 2009

Dissertação: O PAPEL DA LIBRAS E DA LÍNGUA PORTUGUESA EM CONTEXTOS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS SURDAS

Convite para 65ª Banca de Dissertação - PPGLA UNISINOS

Aluna: Gisele Farias Muck

Título: " O PAPEL DA LIBRAS E DA LÍNGUA PORTUGUESA EM CONTEXTOS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS SURDAS"

Data: 31 de julho de 2009

Horário: 14h

Local: 3A317 - Unisinos - São Leopoldo/RS

Comissão Examinadora:

Profa. Dra. Maria Cristina da Cunha Pereira (PUC-SP)

Profa. Dra. Maura Corcini Lopes (UNISINOS)

Profa. Dra. Cátia de Azevedo Fronza (Orientadora)

Resumo: Esta dissertação de Mestrado investiga o papel que a língua brasileira de sinais (LIBRAS) e a língua portuguesa desempenham em um contexto de ensino e de aprendizagem de crianças surdas e ouvintes, trazendo à tona a forma como ambas as línguas são concebidas e correlacionadas nesse âmbito escolar. Inicialmente, apresentam-se considerações sobre propostas educacionais voltadas ao ensino de surdos ao longo da história; em seguida, refletese sobre surdez, língua, LIBRAS e língua portuguesa, destacando-se, por fim, as noções de sujeito, linguagem e discurso, na perspectiva de Bakhtin. Tais considerações teóricas voltamse a dados (gravados em áudio) de entrevistas com duas professoras, uma de LIBRAS e uma de língua portuguesa, e a observações de aulas dessas docentes, durante o ensino de suas respectivas disciplinas a uma turma de quinta série do Ensino Fundamental, de uma escola regular da região do Vale do Rio dos Sinos. Entre as constatações deste trabalho, ressalta-se línguas e a forma como os surdos constroem a sua identidade em cada situação de ensino depende, diretamente, da concepção de surdez, de língua, de LIBRAS e de língua portuguesa das professoras, que, por sua vez, está vinculada à sua formação acadêmica e experiência profissional e norteia suas práticas pedagógicas. Este estudo possibilita reflexões sobre um contexto regular de ensino, no qual se encontram alunossurdos e ouvintes, atendidos por professores ouvintes. Os resultados oferecem contribuições aos profissionais da educação, aos próprios surdos, às suas famílias e à comunidade escolar, pois permitem (re)pensar as práticas de ensino e de aprendizagem a fim que todos os alunos sejam reconhecidos e valorizados no mundo social pelas suas diferenças culturais, independente das especificidades de cada sujeito.

Parabéns, Gisele, e boa sorte!

17 de jul de 2009

Curso experimental para surdos - Inst. Bioquímica Médica


Repassando notícia bem interessante. A idéia pode ser adaptada para outras áreas que necessitam dar esse apoio à educação dos surdos!

Curso Experimental para Surdos – uma nova proposta educacional

Priscila Biancovilli

Inclusão social de uma parcela excluída da população. Este era o objetivo da professora Vivian Rumjanek, do Instituto de Bioquímica Médica (IBqM), ao criar o Curso Experimental de Curta Duração para Surdos, iniciado em 2005 como um projeto-piloto. Inspirado nos cursos de férias do IBqM, os alunos são estimulados a enxergar a ciência a partir de uma nova perspectiva, sem formalidades ou decorebas. Ao invés disso, os estudantes respondem às suas próprias dúvidas através de experimentos científicos, guiados por monitores.

Entre os dias 4 e 8 de maio deste ano, a sétima turma do curso pôde conhecer e entender mais sobre DNA. Os 18 alunos participantes – todos estudantes do ensino médio – se reuniam em grupos e listavam uma série de questões relacionadas ao tema que julgavam mais interessantes. “Cada grupo pôde contar com intérpretes de LIBRAS, a ajuda de monitores, que são alunos de pós-graduação da Bioquímica, e também de agentes educacionais, pessoas surdas que auxiliam na comunicação entre os professores, os monitores e os alunos”, explica Paula Martins, uma das monitoras. A linguagem utilizada pelo grupo é a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) que teve sua origem na Língua de Sinais Francesa.

Antes do curso, os intérpretes participam de um curso bastante aprofundado sobre o tema em pauta, justamente para que eles saibam traduzir com precisão termos científicos pouco comuns. “Estamos elaborando uma série de glossários em LIBRAS. Coletamos e agrupamos novos sinais criados durante o curso e, principalmente, durante a vivência dos estudantes surdos aqui no laboratório. Os alunos de maior destaque dos cursos experimentais são convidados para participar de um estágio conosco, em que eles podem conhecer a ciência ainda mais de perto. Até agora, já oferecemos estágios a oito alunos”, alegra-se Vivian Rumjanek.

Nesta última turma, os alunos participavam ativamente das discussões, criando com rapidez um grande número de perguntas. “É muito interessante perceber que, apesar do silêncio durante as discussões, não estamos em um ambiente calmo. O que vemos aqui é um silêncio inquieto, curioso. Os monitores às vezes ficam até confusos com tantas perguntas ao mesmo tempo!”, afirma Gabriel Machado, outro monitor do curso.

Entre as perguntas escolhidas estavam: “Onde se localiza o DNA?”, “O DNA forma uma pessoa de bebê até adulto?”, “Existe diferença entre o DNA de humanos, plantas e adultos?”, entre outras. Logo no primeiro dia, os grupos começavam a responder às perguntas usando materiais diversos, como amostras de sangue humano, plantas e frutas. Um dos grupos tentava descobrir se havia diferença entre as células sanguíneas de duas pessoas diferentes, e observavam atentamente ao microscópio amostras de sangue de dois monitores. Enquanto isso, outro grupo buscava encontrar DNA em espécies vegetais.

“Há muito tempo me preocupo com a questão dos surdos, porque, diferente dos cegos ou dos cadeirantes, a deficiência deles não é visível. Há poucos mecanismos de inclusão social para este grupo. Numa sociedade de ouvintes, como a nossa, ser surdo é extremamente difícil”, comenta Vivian.

O laboratório da professora, no momento, conta com quatro estagiários surdos. “Infelizmente, devido à falta de suporte financeiro, não pudemos contratar estagiários desta última turma. Mas esperamos que essa realidade mude em breve”, finaliza a professora.

Notícia retirada do site http://www.bioqmed.ufrj.br/corpo/noticias/01_250509.html - Instituto de Bioquímica Médica - UFRJ

15 de jul de 2009

Primeiro Encontro  Cultural de Surdos de Itatiba e região


INSTITUTO PHALA REALIZA EVENTO EM COMEMORAÇÃO AO DIA DO SURDO E AOS 10 ANOS DE SUA FUNDAÇÃO


O Instituto Phala realizará no dia 19 de setembro seu primeiro evento cultural em comemoração ao dia do Surdo e aos 10 anos de sua fundação, a serem completados no mês de dezembro.
O evento contará com a participação de comunidades surdas de Itatiba e região, que trarão manifestações artísticas desenvolvidas em suas sedes, promovendo um intercâmbio entre os surdos e os profissionais que desenvolvem trabalhos junto a essa população, além de palestras, apresentação do Teatro Legal e muita descontração.
Para participar é necessário fazer a inscrição através de nosso site http://www.institutophala.com.br/ ou pelo telefone (11) 4538 2799, podendo se inscrever surdos, profissionais e instituições de toda a região. Para apresentações de peças de teatro, coral de Libras ou outras manifestações artísticas é necessário o preenchimento do formulário disponível em nosso site.
Maiores informações referentes ao local e horário, em breve!

7 de jul de 2009

Inscrições abertas - Int. ao Ensino de LP/S - EAD

Olá pessoal!

Por favor, divulguem...

Agora sim estão abertas as inscrições para o curso de extensão que eu havia prometido, "Introdução ao Ensino de Língua Portuguesa para Surdos - modalidade a distância" pela UNISINOS. As inscrições vão até 31/8, e o curso será voltado para professores de língua portuguesa e educação infantil, séries iniciais, acadêmicos e graduados dos cursos de Letras, Fonoaudiologia, Pedagogia e demais licenciaturas.

O curso será 100% a distância, através de plataforma Moodle.

Os interessados deverão ter conhecimento básico de informática, e-mail próprio, acesso à internet e disponibilidade de 4 horas semanais, sendo 3 horas de atividades assíncronas - você faz na hora que você quiser - e 1 hora para atividades síncronas, via chat, às quintas-feiras, das 20h às 21h.

O curso terá 24h de duração, e vai do dia 03/09 a 08/10.

Todos estão convidadíssimos!

Para saber maiores informações, como se inscrever, etc, você pode acessar o site da Universidade aqui ou baixar o pdf com toda as informações do curso aqui!


AbraçãoVanessa!

1 de jul de 2009

Cursos e eventos


Olá pessoal, repassando a agendinha de cursos e eventos a quem possa interessar:



  • A ULBRA está com inscrições abertas para o curso de LIBRAS para os níveis 1, 2, 3 e 4, sendo cada nível de 60h. As aulas ocorrerão na ULBRA Canoas/RS.
    Informações e/ou inscrições presencial a partir de 01/06/2009 até 31/07/2009:
    Coordenação de Acessibilidade Pedagógica: Sala 120 Prédio 01
    Turno de atendimento: manhã, tarde e noite
    Fone: (51) 3477-9190
    ipesa@ulbra.br ; coordipesa@hotmail.com
    www.ulbra.br/acessibilidade
    O investimento é de R$ 20,00 (matrícula) + R$ 350,00.


  • A UNIVATES - Lajeado/RS também está com inscrições abertas para o curso de LIBRAS nos níveis 1,2 e 3. As aulas são à noite e iniciam em Agosto. O investimento lá é mais baixo, R$ 240,00 com desconto para quem for aluno lá. Informações: www.univates.br/cursosdeextensao


  • Estarão abertas em breve as inscrições para o curso de Introdução ao Ensino de Língua Portuguesa para Surdos - modalidade à distância. O curso terá 24h de carga horária e começará na segunda semana de agosto. FIQUEM LIGADOS! Quem tiver interesse desde já pode escrever para vanessadagostim@gmail.com. Todos os detalhes do curso serão postados no Blog também!


  • Outro curso que abrirá inscrições na modalidade EAD será "Gêneros de texto no dia-a-dia do ensino fundamental" que abordará o trabalho com gêneros textuais na sala de aula, principalmente de línguas. É muito interessante, e tenho certeza que será muito válido. Quem quiser também pode manifestar interesse no e-mail acima.


  • O Grupo Educacional Uninter está com inscrições abertas para o curso de pós-graduação em LIBRAS. Com aulas 100% presenciais, esse curso será realizado em Belo Horizonte no Instituto Sagrada Família, Av. Presidente Carlos Luz, 535, Caiçara (em frente a Honda) - SEDE DO IBPEX-BH O corpo docente responsável pelas aulas é composto por Especialistas, Mestres e Doutores de Curitiba e Belo Horizonte, todos qualificados e experientes quanto a metodologia de trabalho empenhada pelo Instituto. Clique no link ao lado para acessar as informações sobre o Curso: http://www.ibpex.com.br/?a=vercurso&id=170#principal

Então era isso, pessoal! Vamos nos capacitar! Abraços!

29 de jun de 2009

Pesquisa sobre legendas indicativas da programação de TV


Olá pessoal!

Sabem aquelas legendas indicativas de programação da TV com mensagem em LIBRAS sobre informações do programa que vai passar, como faixa etária, etc? O ministério da justiça fez uma pesquisa com os surdos para saber a opinião deles sobre a qualidade das mensagens das legendas. Abaixo, veja informações sobre essa pesquisa!



26/11/2007 - 18:09hPesquisa avalia percepção da Classificação Indicativa entre surdos
Brasília, 26/11/07 (MJ) - O Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação (Dejus), do Ministério da Justiça (MJ), vinculado à Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), organizou uma pesquisa com os surdos para conhecer suas opiniões a respeito da mensagem da Classificação Indicativa na Língua Brasileira de Sinais (Libras), veiculada atualmente nas emissoras de televisão.
A iniciativa é conseqüência de algumas manifestações de telespectadores surdos, que demonstraram dificuldades em compreender as mensagens interpretadas na língua de sinais.
O primeiro encontro foi realizado no início de novembro no Ministério da Justiça, em Brasília, e contou com a presença de cerca de 20 pessoas, entre 19 e 70 anos, que assistiram às vinhetas da Classificação Indicativa em Libras produzidas pelas emissoras abertas. Neste primeiro momento da pesquisa, constatou-se que nenhuma emissora está seguindo as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Os participantes apontaram falhas e sugeriram melhorias.
As principais inadequações observadas pelos surdos foram em relação ao tamanho da janela de Libras (muito pequena), às cores usadas no cenário e na roupa das intérpretes e até falhas na interpretação.
É importante lembrar que a nova Portaria da Classificação Indicativa, publicada em julho deste ano, determina que as emissoras, produtoras, e programadores de conteúdos audiovisuais devem fornecer e veicular a informação correspondente à classificação indicativa, textualmente em português com tradução simultânea em Libras, conforme as novas técnicas brasileiras de acessibilidade em comunicação na televisão, durante cinco segundos, ao início de cada obra, e na metade do tempo de duração de cada parte do programa, preferencialmente no rodapé da tela.
Junto à nova Portaria, O Ministério da Justiça preparou sugestões para as inserções dos símbolos, texto e Libras, e encaminhou para as emissoras um vídeo alternando cartelas em português escrito e interpretação na língua de sinais, sobre todas as classificações, produzido com apoio da Radiobrás e da Associação dos Profissionais Tradutores/Intérpretes de Língua Brasileira de Sinais do Distrito Federal e Entorno - APIL /DF, porém, as emissoras optaram por produzir suas próprias vinhetas.
O grupo que participou da primeira etapa da pesquisa era formado por estudantes, aposentados, representantes da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos do DF (Feneis); da APIL/DF; e pessoas da “Campanha Legenda Nacional - legenda para quem não ouve, mas se emociona”. Na ocasião, o grupo mostrou-se bastante gratificado com o convite feito pelo Ministério da Justiça, que promoveu um espaço democrático de debate e esteve disposto a ouvir às necessidades da comunidade surda.
A consulta será realizada também com surdos de São Paulo e Rio de Janeiro como forma de conhecer a opinião de pessoas das três principais capitais do país. Representantes das emissoras de TV serão convidados a participar do debate e conhecer de perto as dificuldades encontradas pela comunidade surda no acesso aos meios de comunicação.
Ao final da pesquisa, o Dejus, pretende enviar uma carta às emissoras sugerindo que se façam as alterações necessárias para que haja o pleno entendimento das informações referentes à Classificação Indicativa, por todos os cidadãos, independente de suas diferenças. Outra alteração a ser proposta é que se acrescente junto à Libras uma locução nas vinhetas veiculadas antes de cada programa, para que as pessoas com deficiência visual, também possam compreender as mensagens.
Legislação
No dia 09 de março de 2006 uma consulta pública referente à Norma Complementar sobre acessibilidade nos serviços de radiodifusão (NBR 15.290), aprovou uma norma da Associação Brasileira de Normas e Técnicas (ABNT), que visa garantir às pessoas com deficiência sensorial (visual e auditiva) os recursos para acessar o conteúdo disponibilizado na TV aberta.
O documento trata da obrigatoriedade de inclusão dos recursos legenda oculta, audiodescrição, dublagem e janela com intérprete de Libras na programação. Ficam sujeitas ao cumprimento da norma as pessoas jurídicas que detenham concessão ou autorização para explorar o serviço de radiodifusão de sons e imagens e as que detenham permissão ou autorização para explorar o serviço de retransmissão de televisão, subsidiada ao serviço de radiodifusão de sons e imagens.
Também devem cumprir o estabelecido no documento, aqueles que transmitirem ou retransmitirem programação que, mesmo tendo sido produzida em outros países, seja editada, traduzida ou sofra qualquer adaptação considerada necessária para sua transmissão ou retransmissão com boa qualidade de percepção e compreensão pelo público brasileiro.
A Norma decreta que os programas políticos, eleitorais, noticiosos, jornalísticos, educativos, campanhas institucionais e informativos de utilidade pública, bem como debates e entrevistas deverão conter janela com intérprete de Libras, para permitir sua compreensão por pessoas com deficiência auditiva ou por pessoas que não compreendam ou não tenham fluência no Português escrito.


Link desta notícia clique aqui! - MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

22 de jun de 2009

The Silent Worker


Muito legal!"The Silente Worker" foi um jornal popular entre a população surda dos Estados Unidos durante o final dos 1890 até o final do primeiro trimestre do século 20. Inicialmente conhecido como o "Deaf Mute Times" , foi publicado pela primeira vez em Fevereiro de 1888 e renomeado "The Silent Worker" em 27 de setembro do mesmo ano. A Escola New Jersey para Surdos continuou sua publicação mensal, com exceção de julho, agosto, setembro e periodicamente até que cessou em Junho de 1929. Os artigos do jornal foram escritos, em sua maioria, por surdos americanos, embora ocasionalmente surdos de outros países também tenham contribuído para o jornal. Agora a Universidade de Gallaudet converteu a coleção do jornal em formato digital para a pesquisa pública na internet. Muito interessante, com certeza vale a pena conferir e garimpar muitas coisas lá!
Para acessá-lo, clique aqui!

21 de jun de 2009

Defesas de TCCs e dissertações

NA UFSC - Florianópolis - SC
24/06 - 9h - Sala Drummond - Shirley Vihalva - "Mapeamento das línguas de sinais emergentes: um estudo sobre as comunidades linguísticas indígenas de Mato Grosso do Sul"
25/06 - 10h - Sala Drummond - Paulo Machado - "Diferença cultural e educação bilíngüe: as narrativas dos professores surdos sobre questões curriculares"
25/06 - 14h - Sala Drummond - Gisele Iandra Pessini Anater - "As marcações lingüísticas não-manuais na aquisição da língua de sinais brasileira: um estudo de caso longitudinal"

No Centro Universitário Metodista – BENNETT- Rio de Janeiro/RJ
Defesa de Monografia JOÃO PAULO FERREIRA DA SILVA- "Informação, Comunicação e Inclusão: acessibilidade aos surdos nos museus e centros culturais"- dia 24 de Junho de 2009 – 19 horas - Rua Marquês de Abrantes, 55
Flamengo, RJ

Quem quiser divulgar eventos e defesas de trabalhos acadêmicos, é só enviar para o email do blog!
Boa sorte a todos!

9º encontro itajaiense do dia do surdo e I Seminário sobre Educação e Surdez

9º ENCONTRO ITAJAIENSE DO DIA DO SURDO E I SEMINÁRIO SOBRE EDUCAÇÃO & SURDEZ

O Curso de Fonoaudiologia da Univali realiza a 9º Encontro Itajaiense do Dia do Surdo e o I Seminário sobre Educação & Surdez, a serem realizados de 18 a 20 de agosto de 2009, nas dependências do Campus Itajaí da Univali.
Dentre as atividades programadas estão palestras e oficinas (para conferir a programação completa acesse o site).

Local: Anfiteatro Adelaide Konder - UNIVALI – Itajaí -SC
Dias 18 , 19 e 20 de agosto 2009.

15 de jun de 2009

Encerramento do curso - 1ª edição

Olá pessoal

Estava com saudades de postar no blog. Depois de algumas semanas com problemas na internet, formatação do PC, instalação de editor de imagens, feriadão beeeeeeeem descansado neste inverninho do sul, enfim volto a postar!
Bom, dia 06/06 encerramos a primeira edição do curso de extensão Introdução ao Ensino de Língua Portuguesa para Surdos, na UNISINOS. A turma foi ótima, amei conhecer vocês e compartilhar esses momentos de tanto aprendizado mútuo, troca de experiências, de diferentes olhares, de busca por conhecimento.... foram momentos muito valiosos para mim e espero que tenha sido para vocês também. Agradeço a todos e principalmente à Valéria, nossa querida monitora, sempre eficiente e pronta para ajudar. VALEU, VAL!

Abaixo fotos da turminha (alguns já haviam ido embora.... que pena!)

Bjs e abraços a todos! Manteremos contato!

1 de jun de 2009

A polêmica do Programa Mais Você sobre Implante Coclear


Olá pessoal

Há uma semana, no dia 19/05/2009, o programa Mais Você da Rede Globo, apresentado por Ana Maria Braga, exibiu uma reportagem sobre Implante Coclear. Na ocasião, a apresentadora recebeu o otorrinolaringologista Ricardo Bento, que realiza a cirurgia. Toda a comunidade surda ficou muito indignada com as declarações do médico, que disse que sem o implante o surdo não terá chance de se desenvolver, ter uma profissão, etc, e será um pária da sociedade. Quando recebi por email esta notícia fiquei apavorada e fui até o site do programa assisti-lo, para conferir o que foi dito, e realmente, ele disse com estas mesmas palavras (e ainda outras)! Fiquei também muito indignada, e continuei recebendo muitas mensagens de surdos, especialistas e associações de surdos que têm enviado mensagens ao programa manifestando sua indignação, e provando que é possível que o sujeito surdo goze plenamente de seus direitos e pratique seus deveres de cidadão.

Para quem quiser assistir o vídeo, o endereço é: http://maisvoce.globo.com/MaisVoce/0,,MUL1159253-10344,00.html


Há uma transcrição deste programa, produzido e disponibilizado gentilmente pela Iguale, no blog http://www.iguale.com.br/blog.

E vocês, o que acham disso?


29 de mai de 2009

Para aprender Libras em Ponta Grossa, Paraná

UEPG E PARCEIROS PROMOVEM O CURSO DE LIBRAS PARA PROFESSORES E COMUNIDADE
28/05/2009 - 00:00 AM

Estão abertas as inscrições para o Curso Básico de Libras promovido pelo Departamento de Línguas Estrangeiras Modernas (DELEM), da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em parceria com o Núcleo Regional de Educação e Centro de Reabilitação Auditiva e da Fala (CEPRAF) ‘Geny de Jesus Souza Ribas’. A duração é de 62 h., cujas aulas têm início na Usina do Conhecimento, em três de junho, estendendo-se até novembro.
Com 35 vagas em cada turma, são dirigidas 25 para profissionais do ensino fundamental e médio, cinco para comunidade e cinco para acadêmicos, esse curso será desenvolvido com duas turmas. A turma ‘A’, terá aula nas quartas-feiras, às 19h e a para a turma ‘B’, foram reservadas quintas-feiras, no mesmo horário.
Para se inscrever, o interessado deve comparecer na sala 101, bloco ‘B’, Campus Central da UEPG, das 9h às 11h30min e das 13h30min às 17h , munidos de fotocópia da Cédula de Identidade (RG) e o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) fazer o recolhimento, como entrada, do valor de R$ 50,00, além de se comprometer com mais cinco parcelas de R$ 86,68. Mais informações podem ser obtidas pessoalmente no DELEM da UEPG, no Campus Central ( Praça Santos Andrade 1), ou pelo fone 3220-3372.
Site: http://www.uepg.br/
Abraços!

Site da Agils


Pessoal

A dica de hoje é visitar o site da AGILS, Associação Gaúcha de Intérpretes de Línguas de Sinais.

O site conta a história da associação, quem são os associados, e divulga os eventos da Agils por todo o estado.

O endereço é: http://www.agils.org.br/

Abraços!

24 de mai de 2009

IPA oferece Bacharelado em Libras no Vestibular de Inverno


O Centro Universitário Metodista, do IPA, vai oferecer no processo seletivo de inverno de 2009 o curso de Bacharelado em Letras – Tradução e Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). O IPA é a primeira instituição de ensino superior do Rio Grande do Sul a implementar um curso presencial que visa formar tradutores(as) e intérpretes em Libras.
O Bacharelado em Letras - Tradução e Interpretação em Libras no IPA será composto de sete semestres e uma carga horária total de 2.984 horas, com aulas, atividades complementares e estágios. Serão oferecidas 60 vagas, com aulas no turno da tarde. O curso terá na sua matriz curricular diversas disciplinas compartilhadas com os outros cursos da Instituição, particularmente, com as licenciaturas em Letras.
(Clique aqui e visualize a matriz curricular de LIBRAS)
Para a coordenadora do curso, Elaine Indrusiak, o fato do IPA oferecer mais esta graduação é uma maneira a atender uma carência legislativa e de profissionais no mercado. “É uma oportunidade de ampliarmos a atuação na área de Letras tornando-a mais efetiva e inclusiva. Como é o primeiro curso no Estado, em nível de graduação presencial, primeiramente, vem atender a lei que prevê que tradutores e intérpretes de língua de sinais tenham de ser formados”, destaca.
A lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, entende como língua brasileira de sinais (Libras), a forma de comunicação e expressão, em que o sistema lingüístico é de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituída na transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas. Conforme o decreto nº 5.626/05, que regulamenta a lei acima citada, o(a) tradutor(a) de Libras pode ser usuário(a) nativo(a) dessa língua, possuir certificado de curso superior ou certificado de proficiência em tradução e interpretação em Libras, obtido por meio de exame promovido pelo MEC.
Inscrições e provas
As inscrições para o Vestibular de Inverno do IPA, e da Faculdade Metodista de Santa Maria (FAMES) iniciam às 8h do dia 20 de maio e se encerram à meia-noite do dia 25 de junho. Além do Bacharelado em Letras – Tradução e Interpretação em Língua Brasileira de Sinais, o IPA vai oferecer outros dois novos cursos: Licenciatura em Física e Licenciatura em Química.
Os(As) interessados(as) devem preencher o formulário que está no link Vestibular, no portal da Rede Metodista (www.metodistadosul.edu.br/vestibular). O(A) candidato(a) poderá optar entre realizar as provas ou usar a pontuação obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) em 2006, 2007 ou 2008, ou seja, não fazer a prova e aguardar o resultado. Tanto o IPA quanto a FAMES reservam 20% das vagas de quaisquer cursos de graduação para os(as) participantes do ENEM. Entretanto, esta opção não garante bolsa de estudos ao(à) candidato(a).
A taxa de inscrição é de R$ 25 para quem tentar ingressar com a nota do ENEM e R$ 45 para quem for fazer as provas. O boleto gerado com o valor da taxa pode ser pago em qualquer agência bancária dentro do prazo de vencimento.
As provas do vestibular de inverno serão aplicadas no dia 28 de junho (domingo), das 13h às 17h, simultaneamente, na Unidade Central do IPA e na FAMES (Rua Dr. Turi, 2003). O resultado será divulgado no dia 30 de junho, a partir das 18h, no site da instituição, juntamente com os resultados de classificação dos(as) candidatos(as) do ENEM. A matrícula estará disponibilizada para os(as) aprovados(as) de 1 a 6 de julho, na Unidade Central, em Porto Alegre, e em Santa Maria.
Outras informações sobre o processo seletivo de inverno podem ser obtidas na CAE, pelo telefone (51) 3316-1335, e na Central de Atendimento Telefônico, pelo número 0800-5411100.

22 de mai de 2009

Seminário Internacional Brasil/Portugal: Pesquisas Atuais na Área da Surdez

Olá pessoal

Fiquei sabendo hoje deste seminário e repasso para vocês.. Pena que foi em cima da hora, se eu tivesse a informação antes talvez eu me planejasse para ir, mas quem estiver por perto do DF não pode perder a chance!

O evento é gratuito, com 200 vagas e ocorrerá dia 30/05.

Acesse o cartaz abaixo:

19 de mai de 2009

Curso de extensão - Alfabetização e Letramento de crianças surdas

Atenção, pessoal, curso de extensão no Unilasalle!!! (Canoas, RS)

Alfabetização e Letramento de Crianças Surdas
Objetivos*
Desenvolver estratégias e metodologias adequadas a fim de inserir a criança surda no mundo letrado, trabalhando com os diferentes usos de escrita na sociedade;* Compreender a Língua de sinais como uma língua que produz significados;* Estabelecer relação da Língua de Sinais com atividades de leitura e escrita;* Usar diferentes técnicas e materiais para o desenvolvimento linguístico da criança;* Criar situações de interação e reflexão sobre o tema;* Conhecer a prática de professores de Escolas de Surdos;* Fazer uso dos classificadores com estratégia de alfabetização.
Público-AlvoProfessores, acadêmicos do curso de Pedagogia e demais interessados com conhecimento em LIBRAS e Ensino Médio completo.
Programação* Alfabetização e Letramento de Crianças Surdas.
Carga-Horária30 h
Ministrantes: Aura Alice Machado Ferreira – Especialista
Realização - Dias 08, 15, 22, 29 de agosto e 05 e 12 de setembro de 2009
Horário: 8h10min às 12h40minSala: 123 A – prédio 1 (sujeita a alterações)
Investimento - À vista: R$ 115,00 (cento e quinze reais)
Formas de pagamento: dinheiro, cheque de pessoa física ou cartão de débito (Banricompras, Visa e Redecard).
CertificadoSerá fornecido certificado a todos os que obtiverem, no mínimo, 75% de frequência.
CURSO VÁLIDO COMO ATIVIDADE COMPLEMENTAR
VAGAS LIMITADAS
Inscrições até 04 de agosto de 2009

http://www.unilasalle.edu.br/canoas/pagina.php?id=1656

12 de mai de 2009

Brinquedos para crianças surdas - Deaf Toys

Olá pessoal

Gostaria de compartilhar um material de divulgação que recebi por e-mail, uma linha de jogos educativos superinteressantes para surdos (e tb para ouvintes que querem aprender Língua de Sinais).

Aproveitando a oportunidade também achei um artigo legal sobre brinquedos para surdos (ou deaf toys), intitulado "Desenvolvimento de brinquedos pedagógicos para crianças surdas", de um grupo de pesquisadores de Campina Grande. Para acessá-lo clique aqui!
Abraços a todos!

24 de abr de 2009

Notícias: Vestibular Letras-Libras, Blog...

Oi Pessoal
Aproveitando pra blogar algumas novidades.
A primeira é que estão abertas as inscrições para o vestibular do curso presencial LETRAS-LIBRAS da UFSC, nas modalidades licenciatura e bacharelado, inclusive as inscrições para isenção da taxa de inscrição vão até o dia 13 de maio. Informações, clique aqui e entre no portal do curso.
A segunda notícia é o blog Interpretação de LS e Linguística, da querida Maria Cristina. É um blog supercompleto com materiais, artigos e divulgação de eventos e submissão de trabalhos com temas que envolvam interpretação, tradução e linguística. Confira!
Um grande abraço a todos e ótimo fim de semana.

20 de abr de 2009

Profissão Repórter da TV Globo grava programa no HC

(16/04/2009) O segundo programa do Profissão Repórter 2009, comandado pelo jornalista Caco Barcellos da TV Globo, terá a participação de profissionais e pacientes do HC da Unicamp. A edição que vai ao ar às 11h15 desta próxima terça-feira (21-04), após o TOMA LÁ DÁ CÁ, foi gravada no último dia 08 no Centro Cirúrgico e no ambulatório do hospital e vai abordar a surdez e suas implicações na vida das pessoas. O HC da Unicamp foi escolhido pela direção do programa por ser um dos pioneiros no Brasil na cirurgia de implante coclear, objeto das entrevistas e filmagens realizadas por mais de seis horas dentro da instituição.
As gravações no HC tiveram início logo cedo - 7h30 - na sala de pré-operatório do Centro Cirúrgico Geral. O apresentador do Profissão Repórter, Caco Barcellos, conduziu as entrevistas desde o preparo da paciente, toda a cirurgia e depois, o atendimento dos pacientes de rotina no ambulatório de Otorrino, onde foi ativado um aparelho num dos personagens da entrevista. A paciente de 31 anos que recebeu um implante coclear é de São Carlos e ficou surda depois de contrair três meningites.
"Cheguei a pensar que a cirurgia não fosse dar certo devido à dificuldade decorrente das meningites adquiridas. A região estava muito calcificada e exigiu mais cuidado com a cirurgia", comenta o médico responsável pelo procedimento, Paulo Porto. Outros pacientes também foram entrevistados como uma das primeiras implantadas, uma criança e seus pais, os profissionais e por fim, um agricultor que ativou o equipamento e passou a ouvir (Assistam o Programa).
A reestréia do Profissão Repórter mantém o formato com entrevistas direto das ruas, onde a notícia acontece, mostrando diferentes ângulos da notícia - com a ajuda de jovens repórteres - e do envolvimento de cada profissional da equipe em todas as etapas da produção: da reportagem à edição. "2008 foi um ano muito especial, decisivo para todos nós. Nosso compromisso, vocês já sabem qual é: mostrar os bastidores da notícia e os desafios da reportagem", diz Caco Barcellos.
Em janeiro a equipe multidisciplinar da Otorrinolaringologi a do Hospital de Clinicas da Unicamp realizou a ativação do 300º implante coclear. A cirurgia, considerada de alta complexidade, é indicada para a reabilitação de pacientes que possuem deficiência auditiva de origem neurosensorial profunda. O HC é um dos cincos centros de referência de implante coclear no Brasil e realiza este procedimento para pacientes de vários estados brasileiros desde 2001.
O implante coclear oferece informação sonora a indivíduos que não tem mais benefício com o aparelho auditivo comum. O procedimento estimula eletricamente as fibras do nervo auditivo, através de eletrodos colocados no ouvido interno, conhecido como cóclea. Segundo o docente responsável pela disciplina de otorrinolaringologi a do HC, Agrício Crespo, a tecnologia do equipamento possibilita a pessoa a readquirir uma audição compatível com suas atividades sociais e profissionais. "O paciente pode ouvir os primeiros sons entre 30 e 40 dias após a cirurgia, quando é feita a ativação do aparelho", explica Crespo.
As primeiras cirurgias no HC da Unicamp foram realizadas apenas em adultos, e a partir de 2003, o procedimento passou a beneficiar crianças. O Hospital de Clinicas formou uma equipe maior, mais experiente e com treinamentos específicos para o público infantil. Atualmente, 70% dos pacientes são crianças. Para saber se o individuo pode realizar a cirurgia é necessário o encaminhamento a profissionais da saúde como: médico otorrinolaringologi sta, fonoaudiólogo, assistente social e psicólogo. A equipe multidisciplinar é essencial para orientação dos familiares que terão que se adaptar a nova realidade do paciente que voltará ouvir.
O coordenador do programa de implantes cocleares no HC, Paulo Porto, afirma que o critério de seleção para crianças é definido por pacientes de seis meses a quatro anos, com perda auditiva profunda bilateral, com expectativa razoável da família e sem beneficio de próteses auditivas. "Apesar da cirurgia ser possível aos seis meses de idade, precisamos de mais tempo para decidir pela a indicação do implante coclear", explica Porto. Já os adultos devem ter mais que 17 anos e sofrer de perda auditiva severa, ou que possuía linguagem oral anteriormente a surdez, chamada de surdez pós-lingual. Esses adultos, diz Porto, tem benefícios limitados das próteses auditivas, devem ser aprovados por psicólogos e não possuir nenhuma contra indicação médica.


17 de abr de 2009

Livro, Universidade e TV acessíveis


Olá pessoal

Hoje quero divulgar aqui um site que trata de um tema muito importante: a acessibilidade dos livros, universidades e TV para pessoas com deficiência. É o Livro Acessível criado por Naziberto Lopes para lutar pelos direitos dos deficientes visuais de terem acesso à esses meios culturais. No entanto, as reivindicações do site também servem para todos e vale muito a pena conferir o site e colaborar para esta causa!

Agradeço a dica da Cris!

5 de abr de 2009

Curso de extensão: Introdução ao Ensino de Língua Portuguesa para Surdos



Olá pessoal




Estão abertas as inscrições para o curso de extensão INTRODUÇÃO AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS.
O objetivo do curso é oferecer noções básicas a respeito da disciplina "Língua Portuguesa para Surdos" e suas especificidades, possibilitando que o aluno tenha contato com pesquisas e produção científica recentes na área, além de ter informações a respeito da legislação e abordagens educativas que a contemplam.
PÚBLICO-ALVO: Professores de Língua Portuguesa e de Educação Infantil; estudantes de cursos Normal e Magistério; estudantes e graduados dos cursos de Letras, Pedagogia, Fonoaudiologia e licenciaturas.
Ministrante: Ms. Vanessa de Oliveira Dagostim Pires
· Início das aulas: 09 de maio
· Horário: Sábados, das 8h30 às 12h30.
· Local: UNISINOS, São Leopoldo/RS
· Carga horária: 20h.
Para maiores informações, clique aqui ou envie um e-mail para vanessadagostim@gmail.com
Peço que divulguem o curso a quem tiver interesse. As inscrições vão até o dia 06/05.
Abraços!!!

1 de abr de 2009

Entrevista Exclusiva: Psicóloga Janaina Cabello






Olá pessoal





É com imensa alegria que publicamos uma entrevista exclusiva com a psicóloga Janaína Cabello, a quem agradeço de coração pela atenção e pela concessão desta!

Janaina Cabello é ouvinte, formada em licenciatura plena e formação de psicólogo pela UNESP (Universidade Estadual Paulista), atua como psicóloga no Instituto Phala - Centro de Desenvolvimento para Surdos em Itatiba, São Paulo, onde nasceu e vive. Ela também cursa pós-graduação lato sensu em LIBRAS e Educação de Surdos, e é graduanda do curso de Pedagogia.

Pergunta 1: Como começou seu contato com a comunidade surda?
Resposta: Iniciei os estudos da LIBRAS em 2006, assim que me formei, e comecei a trabalhar no Instituto Phala – Centro de Desenvolvimento para Surdos em 2007.
Sempre sou questionada, principalmente por psicólogos que conheço, sobre como me interessei por estudar e atuar com a comunidade surda. Interessei-me pela cultura surda e por entender um pouco daquela misteriosa maneira de se comunicar quando, participando da coleta de dados para o doutorado de uma professora, durante minha graduação,descobri que seria necessário entrevistar jovens surdos. Como eu já havia aceitado o trabalho e não fazia a menor idéia de como isso seria possível, contamos com a interpretação realizada por profissionais ligados ao Centrinho de Bauru (HRAC/USP). As perguntas do questionário a ser aplicado foram filmadas e, durante a coleta, eu filmava as respostas dos jovens surdos. Meu trabalho foi realizado, mas eu sequer podia me apresentar ou perguntar o nome daqueles jovens!
Essa lacuna permaneceu durante a minha graduação, até porque na época ainda não era obrigatória a disciplina de LIBRAS nos cursos de licenciatura e não havia em nossa grade curricular um aprofundamento na área. Depois de formada, retornei da cidade de Bauru à Itatiba e encontrei um curso de extensão acadêmica em língua de sinais – foi como tudo começou.

Pergunta 2: Antes deste primeiro contato como era a sua visão sobre os surdos? O que pensava sobre eles?
Resposta: Antes desse primeiro contato com a comunidade surda eu não imaginava como poderia desenvolver um trabalho específico para os surdos, na verdade eu nunca havia me questionado até então em como interagir com a comunidade surda. Eu sabia sobre a restrição auditiva e sobre a existência de uma língua diferente, visual, mas não podia imaginar o desenvolvimento e a constituição de uma identidade lingüística própria, por exemplo. Realmente não havia “olhado” para os surdos até então.

Pergunta 3: Sua formação acadêmica em psicologia contemplou estudos sobre atendimento a pessoas com surdez?
Resposta: Não. Discutimos em uma disciplina aspectos relacionados aos diversos tipos de “deficiências” (visual, auditiva, intelectual, física), mas de uma maneira bastante superficial, sendo o enfoque bastante clínico e médico (a pessoa surda tem uma perda auditiva que pode variar de leve a profunda, existem aparelhos amplificadores, a possibilidade do implante coclear, etc). A graduação mostrou possibilidades de atuação nesse sentido, mas não aprofundamos com estudos específicos em nenhuma área, sendo que esses estudos tiveram que ser realizados posteriormente.

Pergunta 4: Como você chegou ao Instituto Phala e como é sua atuação naquele centro?
Resposta: Comecei a trabalhar na Instituição assim que conclui um ano de estudo em LIBRAS. Havia acabado de concluir um ano de extensão acadêmica em Língua de Sinais e estava muito interessada em atuar como psicóloga junto à comunidade surda, mesmo porque eu queria me certificar que realmente eu estava aprendendo a língua, então queria contato com os surdos. Uma fonoaudióloga que fez o curso junto comigo me indicou para a Instituição, que me contratou. Até então o Instituto nunca havia contratado uma psicóloga que soubesse um pouco de LIBRAS! Hoje, atuo no Instituto Phala em dois projetos: um, o “Projeto Passo a Passo”, que atende crianças e adolescentes surdos com diferentes níveis de perda, propõe um trabalho multidisciplinar com a atuação também de fonoaudióloga e assistente social. O trabalho consiste em acolher a família no momento do diagnóstico, esclarecer sobre quais procedimentos podem ser tomados para garantir o pleno desenvolvimento das potencialidades daquela criança surda, além de fazer outros encaminhamentos que sejam necessários. Em parceria com um instrutor surdo, oportunizamos com que a criança e sua família entrem em contato com a Língua de Sinais, bem como com outras famílias e crianças e jovens surdos, realizando um acompanhamento sistemático. Outro projeto que coordeno, o “Capacitação para a Inclusão”, foi aprovado esse ano, em janeiro de 2009, pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Itatiba e tem como objetivo a profissionalização de adolescentes surdos, entre 14 e 18 anos. O projeto prevê aulas de informática, rotinas administrativas, marketing pessoal, português e orientação profissional para que, no final do ano, possamos encaminhar esses adolescentes para estágios supervisionados em empresas parceiras. Todas as aulas contam com a presença de uma intérprete e os professores das disciplinas iniciarão no próximo mês o curso de LIBRAS oferecido pelo Instituto.

Pergunta 5: Como surgiu o Instituto? Como ele é financiado?
Resposta: O Instituto Phala é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e surgiu em dezembro de 1999. Foi fundado por um grupo de famílias que não encontraram na cidade atendimento específico e especializado para seus filhos com diagnóstico de surdez. As crianças até então não tinham contato com outros surdos ou com a LIBRAS e as famílias, com a ajuda de profissionais, mobilizaram-se para fundar uma Instituição que pudesse atender as crianças em suas especificidades. Atualmente o Instituto atende crianças e adolescentes surdos e suas famílias, moradores de Itatiba e região, e recebe apoio da prefeitura municipal de Itatiba, através de um repasse de verba que mantém as despesas fixas (como o aluguel, contas, manutenção predial); os projetos desenvolvidos são mantidos através de parcerias com a Prefeitura, sendo que temos projetos cadastrados na Secretaria de Ação Social e de Educação (que, depois de aprovarem nossa proposta de trabalho, fazem o repasse de verba a partir de uma prestação de contas e relatórios técnicos mensais). A partir de 2009 também estamos contando com o financiamento do Fundo Municipal do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente para a realização do projeto de profissionalização. Para a complementação da verba necessária, contamos com a parceria com empresas privadas que nos apóiam, e com a doação de pessoas interessadas no voluntariado.

Pergunta 6: Que tipo de ajuda ou colaboração são bem vindas ao Instituto?
Resposta: O Instituto agradece qualquer tipo de colaboração, mas atualmente necessitamos de apoio financeiro para podermos investir na manutenção e segurança do prédio, na aquisição de materiais específicos e na remuneração dos profissionais técnicos, que hoje atuam com uma carga horária insuficiente para atender a toda demanda que procura pela Instituição. Materiais lúdicos e pedagógicos específicos também são muito bem vindos. Profissionais de diversas áreas e que atuem com surdez e língua de sinais podem contribuir conosco compartilhando experiências e metodologias, através da realização de palestras, workshops etc.

Pergunta 7: Na sua opinião, qual a importância de um profissional da psicologia saber se comunicar em LIBRAS? Qual a diferença de um paciente surdo que se comunica através da língua de sinais diretamente com o psicólogo daquele atendimento que é feito através de intérprete?
Resposta: Acredito que a LIBRAS é fundamental para o acompanhamento terapêutico do surdo. A questão do setting terapêutico, do sigilo e ética profissional, até mesmo o vínculo que se estabelece com o terapeuta fica comprometido quando há a necessidade do intérprete, mesmo que esse intérprete seja uma pessoa de confiança do surdo. Acredito que seja fundamental para o êxito do acompanhamento essa comunicação cliente-terapeuta, o cliente precisa se sentir “compreendido” em diferentes sentidos pelo terapeuta, e a primeira forma de se compreender alguém é compartilhando da língua com que essa pessoa se comunica. Sinto que as famílias também passam a confiar mais no meu trabalho quando percebem que posso me comunicar com o surdo sem precisar do intermédio de outra pessoa. É um momento muito íntimo na maioria das vezes, e se o surdo encontra alguém disposto a atendê-lo em sua língua, disposto a aprender com ele para poder compreender suas dificuldades, acredito que se sinta mais motivado e envolvido com o atendimento oferecido. Na minha opinião, atender o surdo em LIBRAS é respeitá-lo como sujeito surdo, como falante de outra língua e, a partir daí, é possível que ele te respeite também como profissional e que o processo caminhe em parceria.

Pergunta 8: Você é uma profissional em constante aperfeiçoamento. Qual a diferença que essa busca faz em seu trabalho?
Resposta: O aprofundamento teórico faz parte dos bastidores dessa atuação: a prática, sem o devido respaldo teórico, não se sustenta. Atualmente, estou cursando uma nova graduação, a de Pedagogia, motivada pela experiência com professores que trabalharam com crianças surdas e ouvintes na mesma sala de aula e relataram as imensas dificuldades em se relacionar com seus alunos surdos, bem como em desenvolver uma metodologia de ensino que contemplasse suas necessidades ou de desenvolver avaliações que pudessem balizar o processo de ensino. Também estou cursando pós-graduação lato sensu em LIBRAS e Educação de Surdos, para me aprofundar, entre outras questões, na língua do surdo. A LIBRAS está em constante movimento, é uma língua viva, uma língua que pertence a um grupo cultural, e acredito que seja necessária busca constante para acompanhar todas essas dinâmicas alterações e garantir um trabalho de qualidade.

Pergunta 9: Como os demais profissionais de sua área vêem o seu trabalho?
Resposta: Acredito que muitos psicólogos se debrucem em questões teóricas relacionadas a aspectos de aquisição de língua, desenvolvimento de linguagem e sua relação com o desenvolvimento cognitivo, porém não especificamente no caso da língua de sinais. Acredito também que muitos psicólogos, como eu durante a graduação, nunca tenham “olhado” para os surdos e suas necessidades, por isso encarem, em um primeiro momento, a minha atuação como “curiosa”. Penso que com a obrigatoriedade da LIBRAS na grade curricular dos cursos de licenciatura, mais psicólogos se sensibilizem com a atuação na área já durante a graduação.

Pergunta 10: Em fevereiro você teve a oportunidade de, juntamente com a pedagoga do Instituto Phala, apresentar em Cuba o trabalho realizado pelo Instituto, na Associação Nacional dos Surdos de Cuba. Como surgiu esse convite? Como foi a receptividade e o contato com uma cultura surda de outro país? (se quiser pode mandar fotos, materiais referentes, etc).
Resposta: Inicialmente havíamos inscrito o trabalho para um evento internacional que aconteceria em Cuba no ano passado, mas que teve que ser cancelado. Como nosso trabalho já havia sido aceito e nós manifestamos o interesse de participar mesmo sendo em um evento menor, fomos convidadas a apresentar o trabalho que desenvolvemos no Instituto Phala na Associação Nacional dos Surdos de Cuba. Fomos muito bem recebidas pela Associação e pudemos assistir aulas de língua de sinais cubana, ministradas por instrutores surdos. Também conhecemos outros profissionais que atuam com os surdos e com a formação dos intérpretes de língua de sinais e instrutores surdos de lá, como psicólogos e pedagogos. Percebemos como eles são cuidados em relação à formação cultural do intérprete, responsável por realizar todo esse intercâmbio cultural entre a cultura ouvinte e surda. Em Cuba eles ainda estão em processo de digitalização de materiais, sendo que a maioria dos materiais utilizados ainda são impressos. Como o acesso ao computador e à internet é bastante restrito, os recursos utilizados no Brasil, lá ainda estão em fase de implementação, adaptação e desenvolvimento (materiais digitais e o sistema de closed caption, por exemplo).

Pergunta 11: Pensando no trabalho que você desenvolve, envolvendo atendimento a pessoas com necessidades especiais, surdez, línguas de sinais, psicologia, inclusão, que bibliografias (artigos, livros) ou demais materiais (vídeos, filmes, sites) você recomenda para aqueles que se interessam nessas áreas?
Resposta: Acho importante, para quem quer entender um pouco sobre a identidade e a cultura surda, entender sobre o processo histórico da surdez. O livro “Vendo Vozes”, do Oliver Sacks (editora Companhia das Letras), pode ajudar nesse sentido e também traz outras referências. “A surdez-um olhar sobre as diferenças”, de Carlos Skliar (org. –Editora Mediação) também contribui com discussões importantes. Na minha atuação com crianças, tive o respaldo dos livros “A criança surda”, de Márcia Goldfeld e “Como brincam as crianças surdas”, de Daniele Nunes Henrique Silva, ambos da editora Plexus. Especificamente na área de Psicologia, atualmente, tenho estudado autores como Vygostky, Luria e Piaget, para entender como desenvolveram suas teorias sobre as bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Os filmes “Mr. Holland – Adorável Professor”, “...e o seu nome é Jonas”, e “Nell” trazem discussões interessantes, bem como o documentário “Som e Fúria”.

Pergunta 12: Como nossos leitores podem obter mais informações sobre o Instituto Phala? (e-mail, site, endereço, telefone, etc...)
Resposta: O Instituto Phala está localizado na cidade de Itatiba, interior do estado de São Paulo, e pode ser contatado pelo telefone (11) 4538 2799 ou pelos e-mails institutophala@gmail.com ou contato@institutophala.com.br . Os interessados podem conhecer melhor a Instituição e nossas ações através do site http://www.institutophala.com.br/

Pergunta 13: Como os interessados podem entrar em contato com você?
Resposta: Através dos contatos do Instituto Phala ou através de meu e-mail pessoal cabello.jana@gmail.com . Terei o maior prazer em conhecer novos profissionais, familiares, surdos, enfim, pessoas que queiram contribuir com a minha atuação!

Por favor, deixe uma mensagem para os leitores do Blog Vendo Vozes...
Mensagem: Em primeiro lugar, gostaria de agradecer muito pela oportunidade de falar um pouco sobre a minha atuação e sobre a Instituição onde trabalho. É um imenso prazer e também uma grande responsabilidade poder dar um depoimento falando sobre minha atuação. Ainda tenho importantes passos a dar e muitas coisas para aprender. Sinto-me tateando um universo ainda desconhecido, imenso. Questiono-me se não sou inconseqüente em alguns momentos de me aventurar nesse universo sem ter o conhecimento necessário para tal. Mas nesses momentos em que minha prática se “apequeniza” diante dos desafios, os surdos com quem convivo e os outros que tenho conhecido nessa jornada me fazem acreditar que minha prática é possível e pertinente. Com certeza, tudo o que penso e sei sobre surdez, surdos, língua de sinais, é fruto da convivência com eles e da imensa paciência que todos eles têm em compartilhar comigo sua cultura, língua e amizade. Portanto, gostaria de aproveitar para agradecer a todos os surdos e profissionais que têm me acompanhado. Também gostaria de aproveitar para convidar os psicólogos a conhecerem melhor os surdos e as possibilidades (maravilhosas) de atuação com eles.
Obrigada!

Muito obrigada, Janaina, pelo seu tempo e atenção conosco. É uma grande alegria poder divulgar seu trabalho e contar com sua colaboração em nosso Blog Vendo Vozes.
Atenciosamente,Vanessa Dagostim Pires.

Na foto abaixo, alunos surdos com o instrutor Leonel, no centro. (Associação Nacional de Surdos de Cuba)

Na foto abaixo, alunos surdos em curso de língua de sinais em Cuba - Instrutora Leonor
Baixe a entrevista em pdf. CLIQUE AQUI