12 de mai de 2008

Ao menos 1 milhão de deficientes no Brasil esperam por próteses

CLÁUDIA COLLUCCI da Folha de S.Paulo

O Brasil tem ao menos 1 milhão de deficientes físicos, auditivos e visuais esperando por órteses e próteses, revela um levantamento do Ministério da Saúde no qual o governo federal estabeleceu metas para a saúde no período 2008-2011.
São pessoas que necessitam de órteses (aparelhos auditivos e cadeira de rodas, por exemplo) ou próteses (como pernas mecânicas) já identificadas pelas secretarias estaduais ou municipais de saúde, as que estão em filas de espera e também a demanda reprimida.

Em Estados como Goiás e o Amazonas, a demora por órteses e próteses chega a três anos, segundo grupos de pacientes com artrite e diabetes. A artrite desgasta e inflama as articulações, tirando a mobilidade do corpo. A diabetes pode levar à amputação de membros.
Em São Paulo, o governo estadual nega que haja filas de espera para esses equipamentos, mas instituições que lidam com deficientes, como a Santa Casa de São Paulo e a AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente), confirmam a dificuldade que os doentes têm para ter acesso a eles.
Só na AACD, 1.600 crianças --a maioria com paralisia cerebral- aguardam uma órtese, prótese ou cadeira de roda. Outras 32 mil --50% moradoras de São Paulo-- estão esperando a vez para o primeiro atendimento, segundo Eduardo de Almeida Carneiro, presidente voluntário da entidade.
"A fila da AACD nunca diminui. Ela pode, no máximo, acelerar na velocidade", diz ele. A entidade atende 2.500 crianças por dia, 86% vindas do SUS.
O garoto Felipe Alves Amorim, 6, vítima de má-formação congênita, é uma delas. Ele espera há um ano novas próteses para as pernas porque as que usa hoje já estão pequenas. Ainda assim, Felipe anda, joga bola, faz capoeira, natação e adora videogame. "Apesar da deficiência, meu filho é uma criança muito feliz", diz a mãe, Daniela Silva Alves Amorim.


Para Carneiro, as filas de espera não refletem a demanda porque muita gente desiste de esperar ou nem entra no cadastro dos serviços porque sabem que a demora será longa. Em São Paulo, estima-se que 40% dos 5 milhões deficientes estejam fora do sistema de saúde.
Na Santa Casa de São Paulo, os pacientes amputados recebem tratamentos de reabilitação nas fases aguda e ambulatorial, mas, para colocar a prótese, vão para outros serviços do SUS, onde enfrentam filas.
No serviço de reabilitação, os acidentes de trânsito, especialmente com motociclistas, são a principal causa de amputações ou de lesões medulares.
Além da dificuldade para obter uma prótese ou órtese, há também problemas de manutenção. Segundo a Abotec (Associação Brasileira de Ortopedia Técnica), 60% dos pacientes abandonam as próteses de uso externo, principalmente a de braços e pernas, porque não se adaptam a elas. Isso aconteceria por falta de ajustes e de manutenção dos aparelhos.
A falta de reabilitação adequada pode trazer seqüelas graves e riscos aos pacientes.

Nenhum comentário: